TRE-RN:crime em Mossoró não teve viés político

Natal, 26/10/2014 - O assassinato a tiros de Robson Diego de Moura Soares, de 20 anos, na fila de votação de uma seção eleitoral na cidade de Mossoró, segundo maior colégio eleitoral do Rio Grande do Norte, não tem vínculo político, de acordo com o Tribunal Regional Eleitoral do estado (TRE-RN). Segundo o órgão, está descartada a hipótese de crime eleitoral.

Estadão Conteúdo

26 de outubro de 2014 | 13h55

O crime ocorreu na seção 264 da Escola Celina Guimarães, em Mossoró, a 280 quilômetros de Natal. A juíza eleitoral Ana Celina informou que as nove seções do colégio, incluindo aquela na qual o assassinato aconteceu, voltaram a funcionar depois de duas horas em que ficaram fechadas. Duas mesárias que trabalhavam na seção foram substituídas, porque estavam muito abaladas. No momento, segundo a juíza, as filas são grandes.

O jovem votaria na escola onde foi assassinado, mas na seção 211. O secretário de Segurança Pública do RN, Eliéser Girão, disse que a vítima estava fugindo de uma perseguição e tinha antecedentes criminais. "O crime podia ter ocorrido numa praça, na praia, em qualquer lugar, mas, infelizmente, ocorreu numa seção eleitoral", afirmou. "Não tinha como evitar."

A segurança em Mossoró está sendo feita pela Polícia Militar e por homens do Exército. Segundo o secretário, os policiais estavam fora da escola, seguindo o procedimento da Justiça eleitoral.

No primeiro turno, 37 municípios do Rio Grande do Norte receberam reforço de tropas federais. Para o segundo turno, o TRE-RN aprovou o envio de tropas federais para 47 municípios do Estado. Além disso, no começo deste mês, mais de 700 homens da Polícia Militar foram deslocados para o interior do Estado, para reforçar a segurança. (Murilo Rodrigues Alves, enviado especial)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.