Três Estados dos EUA também votam sobre legalização da maconha

Os eleitores de três Estados do Oeste dos EUA também vão às urnas nesta terça-feira para decidir se legalizam a maconha para uso recreativo, num movimento que pode provocar um confronto com o governo federal.

ALEX DOBUZINSKIS, Reuters

06 de novembro de 2012 | 14h14

As pesquisas mostram a legalização vencendo em Washington e Colorado.

Se os eleitores aprovarem as medidas, os Estados podem se tornar os primeiros no país a legalizar o uso recreativo da maconha. Cada uma das iniciativas faria a maconha ser tributada e regularia a venda em lojas especiais para adultos a partir de 21 anos.

Mas a perspectiva de legalização da maconha, que o governo federal considera uma droga ilícita e perigosa suscetível a abusos, tem levantado preocupações sobre como manter os motoristas fora das estradas após o uso da droga e os cigarros longe das mãos de adolescentes.

"Nós estamos arriscando muito simplesmente porque as pessoas pensam que querem comprar maconha de uma loja", disse Kevin Sabet, ex-conselheiro da política antidrogas da administração Obama.

Pesquisas mostram que as medidas de legalização estão na frente no Estado de Washington, onde registros de financiamento de campanha apontam que seus patrocinadores levantaram 6 milhões de dólares, e em Colorado, onde partidários levantam quase 2 milhões de dólares. Mas a legalização perdia no Oregon, onde uma campanha nas bases estava lutando para convencer os eleitores.

O diretor-executivo da Drug Policy Alliance, Ethan Nadelmann, cujos grupos afiliados têm financiado iniciativas de legalização atuais e do passado, disse que estava mais otimista sobre as perspectivas de legalização agora do que antes de um referendo de legalização na Califórnia, que os eleitores rejeitaram em 2010.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICOESMACONHAREFERENDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.