Três perguntas para...

Lucinha Araújo, fundadora da Sociedade Viva Cazuza

, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2011 | 00h00

1. Você vê a cara da aids todos os dias há mais de 20 anos. Como ela se transformou?

Os remédios mudaram tudo. Mas o preconceito só diminuiu, não acabou. Enquanto tiver gente mal informada e sem caráter, o preconceito ainda vai existir.

2. Você se acostumou a lidar com a morte?

De jeito nenhum. No ano passado morreu uma menina de 16 anos. Pegou uma virose. Ficamos muito abalados, ela estava aqui desde os 2 anos. Tentamos de tudo, mandamos buscar remédios dos Estados Unidos, e nada...

3.A falta de dinheiro é crônica. Desanima?

Antes eu vendia ingressos, era vista como a chata que pede dinheiro. Mandei carta ao Eike Batista, ele deve ter jogado fora. Vou ao Ministério da Saúde, quando muda o ministro. O Alexandre Padilha ainda não conheço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.