Três são presos por matar mulheres durante ritual em PE

Três pessoas foram presas na última quarta-feira, 11, acusadas de matar e esquartejar duas mulheres durante um ritual de suposta ''purificação'', em Garanhuns (PE), segundo informações da Polícia Civil. De acordo com a polícia, Jorge Beltrão, casado com Isabel Cristina, ambos com 50 anos, e Bruna Cristina, de 25 anos, também são acusados de pelo menos outros oito crimes.

SOLANGE SPIGLIATTI, Agência Estado

13 Abril 2012 | 14h16

Os três moravam juntos, em companhia de uma criança de 5 anos, filho de uma outra vítima do trio, Jéssica Camila, morta em 2008, em Rio Doce, Olinda. De acordo com a polícia, Bruna assumiu a identidade de Jessica, usando seus documentos e cuidando da criança.

Os três atraíam suas vítimas com uma falsa promessa de emprego de babá. Quando as vítimas chegavam à residência do trio, Jorge, que é professor de caratê, aplicava um golpe na nuca da vítima como primeiro passo do ritual de purificação da seita denominada ''O Cartel'' e a arrastava por uma corda no pescoço até o banheiro. Segundo depoimento dos presos, se a mulher sobrevivesse, a carne dela seria purificada, e, se morresse, o espírito receberia a purificação.

O passo seguinte do ritual seria a retirada da pele, o esquartejamento da vítima e a retirada dos músculos e do fígado, que eram armazenados na geladeira para consumo tanto da família quanto para a preparação de salgadinhos, que eram vendidos por Isabel pela cidade. Os restos eram enterrados no quintal da casa, segundo a polícia.

De acordo com a Polícia, os suspeitos foram presos após investigações sobre o desaparecimento de duas mulheres. Gisele Helena da Silva, de 31 anos, desapareceu no dia 25 de fevereiro e foi a primeira vítima do trio na cidade. Alexandra da Silva Falcão, de 20 anos, estava desaparecida desde o dia 12 de março. Os restos dos corpos já foram localizados e levados para o Instituto Médico Legal (IML). Em depoimento, Isabel confessou a morte de Jéssica, em Rio Doce, mãe da criança que vive com o trio, informação confirmada por Jorge. A polícia está investigando as informações de Isabel, que afirma terem assassinado outras oito mulheres, no Rio Grande do Norte e na Paraíba.

Mais conteúdo sobre:
canibalismoprisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.