Tribo cobra proteção após morte de índio em MG

Caciques afirmam que índio é o terceiro assassinado num período de 11 meses e reclamam de omissão

EDUARDO KATTAH, Agencia Estado

14 de agosto de 2008 | 19h38

Índios da tribo Xacriabá se reuniram hoje na sede da Procuradoria da República em Montes Claros, no norte de Minas Gerais, com representantes do Ministério Público Federal (MPF), da Polícia Federal, da Polícia Civil e da Fundação Nacional do Índio (Funai). Eles cobraram proteção à comunidade, cuja reserva está situada na cidade de São João das Missões, a 663 quilômetros de Belo Horizonte. A audiência foi solicitada pelos líderes da aldeia após assassinato do índio Edson Dourado Leite, de 21 anos, na noite de domingo, em São João das Missões.Os caciques afirmam que Leite é o terceiro remanescente indígena assassinado num período de 11 meses e reclamam de omissão das autoridades. Na versão dos índios, Leite se aproximava de um bar quando foi morto a facadas por Regivaldo Alves da Mota, de 20 anos. A ocorrência da PM diz que o índio perseguia o suspeito do assassinato quando foi morto. Parentes e amigos de Leite depredaram a casa de Mota e o posto de saúde da cidade. Na segunda-feira, os xacriabás interditaram a BR-135.

Tudo o que sabemos sobre:
morteíndioMinas Gerais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.