Tribunal Penal Internacional absolve comandante congolês

O Tribunal Penal Internacional (TPI) absolveu o comandante de guerra congolês Ngudjolo Chui de todas as acusações de crimes de guerra e contra a humanidade, nesta terça-feira, impondo um golpe às vítimas de conflitos no Congo de uma década atrás.

THOMAS ESCRITT, Reuters

18 Dezembro 2012 | 10h46

O veredicto, apenas o segundo na história de 10 anos da corte de crimes de guerra --a primeira absolvição--, é um revés para os procuradores do TPI, os quais os juízes afirmaram não terem conseguido vincular Ngudjolo às atrocidades que ocorreram no nordeste do Congo, em 2003.

A promotoria acusou Ngudjolo de comandar milícias para matar e estuprar civis e saquear vilarejos durante um conflito na província rica em minerais de Ituri, em 2003.

Os promotores disseram que Ngudjolo comandou militantes para bloquear estradas de entrada e saída da aldeia de Bogoro, em fevereiro de 2003, para matar civis que tentavam fugir e que os civis, incluindo mulheres e crianças, foram queimados vivos dentro de suas casas.

Duzentas pessoas foram mortas durante e após o ataque à aldeia, segundo os promotores, quando combatentes das etnias Lendu e Ngiti supostamente destruíram o vilarejo com moradores que eram em sua maioria da etnia Hema.

O conflito era parte de uma guerra mais ampla no leste do Congo.

Os juízes do TPI ressaltaram que as atrocidades foram cometidas durante o conflito, mas disseram que os promotores não conseguiram provar acima de qualquer dúvida razoável que Ngudjolo estava por trás delas.

"Isso não questiona de forma alguma o que se abateu sobre o povo daquela região naquele dia", afirmou o juiz Bruno Cotte.

A decisão de absolver não significa necessariamente que os juízes estavam convencidos de sua inocência, acrescentou.

Thomas Lubanga, o primeiro condenado pelo tribunal, foi sentenciado a 14 anos de prisão, no início deste ano, por seu papel no outro lado envolvido do mesmo conflito.

"Lubanga era um líder hema, e a absolvição de Ngudjolo, um lendu, logo após a condenação de um hema, pode exacerbar a tensão entre as duas etnias em Ituri", alertou Jennifer Easterday, do programa Iniciativa de Justiça de Sociedade Aberta.

Mais conteúdo sobre:
CONGO SENHOR GUERRA ABSOLVIDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.