Trio morre após sequestro relâmpago na zona sul de SP

Três criminosos que mantinham um publicitário refém em um sequestro relâmpago morreram após perseguição policial na noite de ontem no Parque Interlagos, zona sul de São Paulo. O trio estava sendo perseguido por policiais militares da Força Tática do 27º Batalhão quando perdeu o controle do veículo da vítima e bateu em um poste. Os três foram baleados no local. A vítima não sofreu ferimentos.

DANIELA DO CANTO, Agencia Estado

23 de junho de 2009 | 08h45

Segundo a Polícia Militar (PM), o publicitário, sua esposa, grávida de três meses e meio, e o filho do casal, de 5 anos, foram abordados pelos suspeitos na porta de casa, no Jardim Satélite, também na zona sul da cidade. O publicitário foi feito refém, mas a mulher conseguiu pegar o filho no colo e correr para dentro da casa. Ela avisou a polícia e forneceu os dados do veículo, que em cerca de meia hora foi encontrado por PMs.

Os policiais deram início a uma perseguição, que terminou cerca de 12 minutos depois, quando os bandidos perderam o controle do carro. Conforme a corporação, o trio então desceu do veículo e começou a atirar contra os policiais, que revidaram. Douglas Oliveira Dias, de 22 anos, e um comparsa, que estava sem documentos, foram socorridos ao Pronto-Socorro (PS) Regional Sul. Leandro Abranches Cerqueira, de 29 anos, foi levado ao PS do Grajaú. Nenhum dos três resistiu aos ferimentos.

Durante a troca de tiros o publicitário permaneceu abaixado e não foi baleado, mas, conforme os policiais, foi agredido com coronhadas pela quadrilha e ameaçado de morte várias vezes. O sargento do 27º Batalhão da Força Tática, Genivaldo Viana Gomes, afirmou que os bandidos atiraram contra a PM durante toda a perseguição, mas que só houve revide depois que o carro bateu contra o poste. "Como se sabia que havia refém, não era possível revidar. Só houve revide quando a vítima já não corria mais risco", disse.

Saques

Quando o carro foi localizado pelos policiais, os criminosos já haviam obrigado que o publicitário fizesse dois saques, de R$ 1 mil cada. O dinheiro foi recuperado, assim como a bolsa da esposa da vítima, a carteira e os celulares roubados. A polícia também apreendeu cinco revólveres usados pelos suspeitos.

Tudo o que sabemos sobre:
crimesequestroviolênciaPMSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.