Troça carnavalesca leva irreverência às ruas de Olinda

Cerca de 70 mulheres subiram na vara hoje durante o desfile da troça carnavalesca "Mulher na Vara", que saiu da rua da Boa Hora, com a orquestra de frevo do maestro Lessa, em meio a muita irreverência e animação, típicos do carnaval de Olinda.Criada em 1993, a troça surgiu de uma brincadeira, assim como tudo que acontece no carnaval da cidade. Naquele ano, uma moça levou uma queda, em plena folia, e ficou sem poder andar. Com a cidade entupida de gente, não havia como transportá-la em meio à multidão. Dois rapazes tiveram a idéia de arranjar um pedaço de pau para levar a amiga e, por onde passavam, gaiatos gritavam "olha a mulher na vara". Assim nasceu a troça, que hoje carrega uma vara de cinco metros. Quem mais se equilibra, mais recebe aplausos."A Porta" é outra troça que se consolidou como uma das mais animadas de Olinda. Surgiu há 20 anos, quando foliões que alugaram uma casa para passar o carnaval na cidade usaram uma porta velha encontrada no local para sair pelas ruas carregando-a como estandarte. A brincadeira, antes acompanhada de um batuque improvisado, tem orquestra de frevo das melhores. No percurso, homens e mulheres sobem na porta dispostos a tirar a roupa. Quem não se desnuda recebe vaias. "A Porta" sai amanhã."Já que tá dentro deixa", "Segura o cu", "Que bosta é essa?", "I love cafuçu" e "Tá com a gota" são outras entre tantas troças irreverentes que se misturam a maracatus, bonecos gigantes, escolas de samba e muito frevo durante o carnaval pelas ladeiras estreitas de Olinda. Sem interrupção, sempre com muito humor.

ANGELA LACERDA, Agencia Estado

04 de fevereiro de 2008 | 20h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.