Tropas detêm presidente de Honduras--governo

Soldados de Honduras prenderam o presidente de esquerda Manuel Zelaya neste domingo em uma crise institucional desencadeada por sua tentativa de ser reeleito, afirmaram oficiais do governo.

REUTERS

28 Junho 2009 | 11h20

As tropas levaram Zelaya, um aliado do presidente venezuelano Hugo Chavez, de sua residência para um local desconhecido, disse à Reuters Eduardo Reina, secretário privado do presidente.

Ele disse que tiros foram disparados durante o incidente, mas esta informação não pôde ser confirmada de maneira independente.

"Nós recebemos informações de que ele foi levado a uma base aérea militar", afirmou Rafael Alegria, um oficial sênior do governo, à rede de televisão pro-Zelaya Channel 8.

O presidente demitiu o chefe das Forças Armadas semana passada após este se recusar a ajudá-lo a organizar um referendo não-oficial no domingo para permitir que os presidentes possam exercer mais do que um único mandato de quatro anos.

O empobrecido país da América Central havia se mantido politicamente estável desde o fim do governo militar no início da década de 80, mas a pressão de Zelaya para mudar a constituição e permitir que ele possa exercer outro mandato abalou as instituições do país.

A Suprema Corte saiu contra Zelaya na semana passada e ordenou que ele reintegrasse o chefe militar despedido Romeo Vasquez --um movimento que o presidente declarou ser um "golpe" contra ele.

A crise econômica global desacelerou o crescimento de Honduras, país que depende das exportações de café e de tecidos e das remessas de dinheiro dos que vivem no exterior. Pesquisas de opinião recentes mostram que o apoio a Zelaya caiu a 30%.

Honduras, com 7 milhões de habitantes, é um importante ponto de trânsito para o tráfico de drogas.

(Reportagem de Mica Rosenberg e Gustavo Palencia)

Mais conteúdo sobre:
HONDURASPRESIDENTEPRISO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.