Tropas sírias atingem vila sunita e matam 7, dizem ativistas

Tropas sírias, acompanhadas por veículos blindados, mataram a tiros sete civis neste domingo, ao invadir uma aldeia rebelde muçulmana sunita a oeste da cidade de Hama, queimando casas e prendendo dezenas de pessoas, disse uma organização de ativistas.

REUTERS

13 Maio 2012 | 09h41

Quatro mulheres estavam entre os mortos na vila de Tamanaa in al-Ghab, que fica em uma planície no epicentro rural da revolta de 14 meses contra o governo do presidente Bashar al-Assad, disse a Rede Síria para Direitos Humanos, um grupo de ativistas da oposição que monitora a repressão.

"A vila foi sujeitada à uma punição coletiva. Quase metade das casas foram queimadas. Diversas pessoas foram executadas quando foram presas. O resto foi morto com o ataque", de acordo com declaração da organização.

Ativistas da oposição disseram que a vila sunita, uma das dezenas que têm sido incendiadas desde que as forças de Assad tomaram o controle das cidades de Homs e Hama, havia sido um ponto de manifestações regulares contra Assad.

(Reportagem de Khaled Yacoub Oweis)

Mais conteúdo sobre:
SIRIA MORTES CIVIS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.