Trote com teor racista pode render expulsão

Estudantes da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) podem ser expulsos da instituição por causa de um trote considerado racista e com apologia ao nazismo. Esta é uma das penalidades previstas pela Comissão de Processo Administrativo-Disciplinar criada ontem pela universidade para apurar o caso.

MARCELO PORTELA , BELO HORIZONTE, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2013 | 02h01

O trote ganhou repercussão após estudantes divulgarem fotos em redes sociais da internet mostrando uma aluna pintada de negro, acorrentada e com um cartaz pendurado no pescoço com a inscrição "caloura Chica da Silva" - referência a Francisca da Silva de Oliveira, escrava alforriada que viveu com um rico comerciante de diamantes no século 18 no interior de Minas. Uma segunda foto mostra um calouro amarrado a uma pilastra com estudantes fazendo a saudação nazista ao seu lado.

Segundo a UFMG, a comissão tem 30 dias para dar um parecer. As menores penas aplicáveis são advertência e suspensão por um período de dez a 30 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.