Trotes levam cinco calouros a posto médico em Curitiba

Cinco calouros da Universidade Positivo (UP), de Curitiba (PR), precisaram de atendimento médico durante esta semana, em razão de bebedeira decorrente das festas de entrada na universidade, possivelmente promovidas por estudantes veteranos. Pelo menos três deles foram atendidos em coma alcoólico. A direção da instituição de ensino preferiu não comentar o fato, mas, de acordo com a assessoria de imprensa, já foi instaurada uma comissão de sindicância para apurar as ocorrências.

EVANDRO FADEL, Agência Estado

18 de fevereiro de 2011 | 17h21

Segundo a Secretaria de Saúde de Curitiba, na segunda-feira um estudante da UP precisou de atendimento no Centro Municipal de Urgências Médicas do Bairro Campo Comprido, onde fica a universidade. Além do coma alcoólico, o calouro apresentava hipotermia, visto que a temperatura havia caído repentinamente na capital paranaense e choveu muito forte. Ontem, outros quatro alunos, do curso de Arquitetura, foram encaminhados para o mesmo centro de atendimento emergencial, também em razão do abuso no consumo de bebida alcoólica.

Um dos estudantes, em razão da gravidade, foi levado para o Hospital Cruz Vermelha, que serve de hospital escola para a universidade. A assessoria de imprensa da UP, que também responde pelo hospital, disse que não poderia passar nenhuma informação sobre a condição de saúde desse aluno. A comissão de sindicância deve apurar se os calouros foram forçados por veteranos a participar dos trotes e ingerir bebida alcoólica. Caso haja comprovação e identificação, os estudantes podem ser advertidos, suspensos, expulsos ou denunciados para a polícia.

A assessoria da UP destacou que o trote foi realizado do lado de fora da universidade, onde há um bar normalmente frequentado pelos estudantes, e, portanto, sem controle da direção. "O Positivo proíbe qualquer tipo de trote dentro da área da universidade", ressaltou a assessoria. No primeiro dia de aula foram distribuídos informes sobre a proibição do trote. Também foram espalhados adesivos com a inscrição: "Trote, tô fora". Segundo a assessoria da universidade, os estudantes ainda receberam mensagens nos celulares com boas vindas e instrução para não participarem dessas atividades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.