Tumulto em prisão na Venezuela mata 61 pessoas

Um motim em um presídio no sudoeste da Venezuela matou 61 pessoas, disse um funcionário do hospital no domingo, apesar do o governo se recusar a dar um número oficial de mortos no confronto sangrento que destacou o caos nas prisões do país.

Reuters

27 de janeiro de 2013 | 18h01

A violência ocorreu na sexta-feira na prisão Uribana, perto da cidade de Barquisimeto. Parentes que se reuniram do lado de fora da prisão se irritaram com a falta de informações das autoridades embora tenham iniciado a transferência de presos para outras unidades, não confirmaram quantos foram mortos.

O tumulto ocorreu em um momento em que, doente de câncer, o presidente Hugo Chávez continua em Cuba recebendo tratamento e o vice-presidente Nicolas Maduro - o chefe oficial do Estado - está em visita ao líder socialista em Havana e, em seguida, viaja para uma reunião de cúpula no Chile.

O motim foi quarto grande conflito em 18 meses em um sistema prisional que abriga três vezes o número de presos que foi projetado para acomodar. Os críticos dizem que o sistema prisional é controlado por gangues com pronto acesso a metralhadoras e granadas.

"Estamos sofrendo aqui, e o governo não está dizendo nada", disse Josefina Ramirez, de 36 anos, cuja marido de 25 anos estava lá dentro. "Queremos que Chávez venha para nos dar notícias. Queremos uma resposta."

Mais conteúdo sobre:
VNEZUELA61*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.