Túnel submarino entre Santos e Guarujá vai a discussão

A construção de um túnel submarino ligando Santos a Guarujá, como alternativa para substituir o sistema de balsas, começa a sair do papel, por intermédio de um estudo técnico elaborado pelo Instituto Metropolitano de Pesquisas Acadêmicas e Consultoria Técnico-Operacional (Impacto), que conta com o apoio das universidades da Baixada Santista. No mês passado, em visita à região, o governador José Serra anunciou a intenção de construir um túnel, em resposta às muitas críticas dos usuários das balsas que, nos últimos tempos, têm reclamado das constantes filas na travessia entre os dois municípios.De imediato, o estudo propõe que o túnel seja exclusivo para veículos leves e ônibus, restringindo a passagem de caminhões. Não haverá restrições técnicas para o uso de bicicletas. O projeto propõe quatro faixas de rolamento (duas para cada sentido de direção) para veículos de passeio, motocicletas e ônibus. Todos os detalhes técnicos da proposta deverão ser discutidos durante audiência pública da Frente Parlamentar em Defesa da Construção do Túnel, da Assembléia Legislativa, na próxima quinta-feira, às 19 horas, na Universidade Católica de Santos (UniSantos).O presidente do Comitê Brasileiro de Túneis, engenheiro Tarcísio Barreto Celestino, já confirmou presença. Tarcísio foi o responsável técnico pelos projetos geotécnicos de várias usinas hidrelétricas e de grandes obras de transportes, como as do Metrô de São Paulo, incluindo as estações Luz, Butantã e a travessia do túnel Jânio Quadros, sob o Rio Pinheiros. Para o encontro de quinta-feira também foram convidados representantes do governo estadual, da Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa), empresa que administra a travessia de balsas, das prefeituras de Santos e Guarujá, além de professores das universidades da região.Para o deputado estadual Paulo Alexandre Barbosa, que preside o instituto Impacto, "é logisticamente inviável" compartilhar automóveis e caminhões em um mesmo projeto. Ele acredita que o transporte de cargas deverá estar vinculado à expansão do porto na Ilha Barnabé (Projeto Barnabé-Bagres), ou mesmo em outros traçados que vêm sendo discutidos ao longo das últimas décadas, como os que integram as regiões do Valongo e Outeirinhos. Diante da incompatibilidade técnica e logística, o levantamento aponta a necessidade de dois projetos específicos: um para o transporte de pessoas e outro para cargas. Daí a deliberação de construir um túnel exclusivo para cargas, que seria instalado na área portuária.A espera média para a travessia, que hoje é feita em 20 minutos, seria reduzida para apenas um minuto com a construção do túnel, conforme estudo feito pelo Impacto.

ZULEIDE DE BARROS, Agencia Estado

06 de abril de 2008 | 19h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.