Tunísia emite mandado de prisão para viúva de Arafat

Autoridades da Tunísia emitiram um mandado internacional de prisão para Suha Arafat, viúva do líder palestino Yasser Arafat, como parte de uma investigação de corrupção envolvendo a família da ex-primeira-dama tunisiana, disse o Ministério da Justiça nesta segunda-feira.

REUTERS

31 de outubro de 2011 | 12h45

Suha Arafat costumava passar grande parte de seu tempo na Tunísia e durante muitos anos era próxima da esposa do ex-presidente Zine al-Abidine Ben Ali, que foi obrigado a fugir do país após a revolução de janeiro.

"A Tunísia emitiu um mandado de prisão contra a sra. Arafat por suspeita de envolvimento em casos de corrupção financeira com a família da esposa de Ben Ali", disse Shokri Nafti, porta-voz do Ministério da Justiça.

A família Arafat estabeleceu laços com a Tunísia durante o período em que a Organização pela Libertação Palestina (OLP) estava exilada e montou uma sede em Túnis, nos anos 1980 e início dos anos 1990.

Depois da morte do líder palestino em 2004, sua viúva recebeu um passaporte tunisiano e foi vista frequentemente na Tunísia ao lado da esposa de Ben Ali, Leila Trabelsi, ex-cabeleireira cujos parentes passaram a controlar grande parte da economia.

Suha Arafat teve a nacionalidade tunisiana retirada e foi deportada em 2007 depois de um desentendimento com Leila Trabelsi.

Desde a revolução tunisiana, que desencadeou as revoltas da "Primavera Árabe" na região, promotores têm perseguido dezenas de pessoas ligadas à ex-primeira-dama por acusações de corrupção.

Os tribunais também condenaram à revelia Ben Ali e sua esposa, por roubo, porte de armas e drogas, e corrupção. Os advogados de Ben Ali negam as acusações.

(Reportagem de Tarek Amara)

Mais conteúdo sobre:
TUNISIAARAFATMANDADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.