Tunísia prende mais de 20 suspeitos após atentado em museu

Autoridades tunisianas prenderam mais de 20 suspeitos após o atentado ao museu Bardo, quando homens armados mataram turistas estrangeiros, levando a uma operação de segurança em todo o país, afirmou o governo, neste sábado.

TAREK AMARA, REUTERS

21 de março de 2015 | 14h32

Centenas de tunisianos se reuniram para uma missa na catedral em Túnis, neste sábado, acendendo velas em memória das vítimas – 20 turistas estrangeiros e três tunisianos – em uma cerimônia que contou com a presença de ministros do governo.

Do lado de fora, havia uma forte presença policial ao longo da avenida central Habib Bourguiba, na capital. Mas a cidade estava calma, dando continuidade a um festival musical, com concertos no centro da cidade.

O atentado de quarta-feira – o ataque mais mortal envolvendo estrangeiros na Tunísia desde o atentado suicida de 2002, em Djerba – aconteceu em um momento delicado para um país cuja democracia plena é recente e foi instaurada depois de um levante popular, há quatro anos.

O governo disse que os dois homens atiradores foram treinados em campos jihadistas, na Líbia, antes do ataque ao museu, que fica dentro do complexo do parlamento tunisiano e que é fortemente protegido. Visitantes japoneses, franceses, poloneses, italianos e colombianos estão entre as vítimas.

As autoridades prenderam mais de 20 suspeitos militantes, incluindo dez pessoas que se acredita estarem diretamente envolvidos no ataque ao Bardo, afirmou o porta-voz do Ministério do Interior, Mohamed Ali Aroui.

“Há uma grande campanha contra os extremistas”, disse ele.

O Ministério do Interior também divulgou uma fotografia de outro suspeito e pediu aos tunisianos para ajudar com informações.

O governo planeja colocar o exército nas ruas das principais cidades para melhorar a segurança após o tiroteio.

Militantes do Estado Islâmico assumiram a responsabilidade pelo atentado, mas contas em redes sociais vinculadas a um grupo tunisiano afiliado a Al Qeda também publicaram detalhes que pretendiam ser sobre a operação.

Mais conteúdo sobre:
TUNISIAATENTADOPRESOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.