Tutty Humor

Túmulo do tempo

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

05 Junho 2011 | 00h24

Já que, no final das contas, o impeachment do Collor voltará a ter lugar de destaque no chamado "túnel do tempo" do Senado, não custava nada aproveitar que vão mesmo mexer nos painéis ilustrados expostos na galeria para acrescentar outros fatos igualmente importantes para o bom entendimento do passado no Congresso Nacional.

Como deixar de fora momentos inesquecíveis como aqueles que, em 2000, se seguiram à violação do painel de votação do plenário por obra e graça de Antônio Carlos Magalhães e José Roberto Arruda? Não se pode apagar daquelas paredes o que permanece vivo na memória popular.

Como esquecer, por exemplo, os momentos em que Eduardo Suplicy cantava Racionais MC, em especial aquele rap em que o senador interpretava em performance giratória os tiros da canção: "Pá, pá, pá, pá, pá, pá, pá... PÁ!" - lembra? O Brasil era feliz e não sabíamos!

Todo presidente do Senado deixou pelo caminho de acesso ao anexo 2 pegadas bem visíveis de sua gestão. Quem não se recorda, ainda que vagamente, da piada pronta do ranário da mulher de Jáder Barbalho? Tinha, salvo engano, Sudam no meio, e o escambau!

Os detalhes vão se perdendo pelo caminho. Muita gente não tem mais noção da função de um certo lobista no trepidante romance de Renan Calheiros e Mônica Veloso. Um simples desenho na parede pode ajudar a esclarecer.

Para bem contar essa história, nenhum roteiro - ilustrado ou audiovisual - pode desprezar fatos como a nomeação de funcionários fantasmas através de atos secretos da administração José Sarney. O atual presidente da Casa merecia um paredão só para ele no "túnel do tempo", né não?

Superstição

Desde que a Otan começou a bombardear a Líbia, Muamar Kadafi não troca de roupa. Cismou que a bata marrom está lhe dando sorte!

Fala sério!

Caiu de 15 para 5 minutos o tempo de participação de Ronaldo Fenômeno no amistoso Brasil x Romênia, no Pacaembu. Ele tem ainda até terça-feira para pensar se não é melhor dar só o pontapé inicial no jogo de sua despedida da seleção.

Pé na estrada

Deu na Sonia Racy que Sérgio Cabral caprichou no inglês ao cruzar dia desses com Christine Lagarde, candidata francesa ao FMI, em jantar de gala no hotel George V, em Paris: "See you in Washington!" É impressionante como gosta de viajar, né não?

Sabe o Merval?

Eleito imortal na Academia Brasileira de Letras, o jornalista Merval Pereira deve estar com a orelha em chamas de tanto que falam dele pelas costas nas principais redações do País. Pura inveja de colegas de profissão - ô, raça!

Grana da viúva

Da série "Roubar é humano", as Mães da Praça de Maio estão sendo acusadas na Argentina de enriquecimento ilícito por conta da má gestão do dinheiro público.

Tem dó!

Se levar mesmo à Presidência da República a ideia de uma campanha geral contra todas as formas de discriminação nas escolas, o ministro Fernando Haddad bem que podia incluir as louras neste pacote. As pobrezinhas não aguentam mais!

Paixão eterna

Lula trouxe de Cuba uma supercaixa de charutos para o pessoal do PMDB. Presente do Dia dos Namorados!

Não é mais aquele

Analistas políticos italianos creditaram a derrota de Berlusconi nas últimas eleições municipais à concorrência de Dominique Strauss-Kahn. Estão certos de que a popularidade do primeiro-ministro despencou depois que o ex-diretor do FMI tomou seu lugar nas manchetes de escândalos sexuais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.