Reprodução
Reprodução

TV em 3D invade o mercado

Modelos que chegam em julho prometem melhor imagem

Ubiratan Brasil - O Estado de S.Paulo ,

11 Junho 2011 | 16h00

A tecnologia em 3D avança nos televisores caseiros. Depois da Samsung, é a vez da LG Eletronics lançar a sua geração de aparelhos. "Acompanhamos o interesse por esse formato que já acontece no cinema", comenta o diretor de marketing da empresa, Humberto de Biase. "Ainda neste ano, por exemplo, está previsto o lançamento de mais 44 filmes em 3D nos Estados Unidos."

A euforia, claro, é controlada, uma vez que a moda de se usar óculos no cinema sofreu um pequeno revés a julgar pelas recentes bilheterias - a animação Rio e o filme Piratas do Caribe 4, por exemplo, arrecadaram menos de 50% nas salas americanas equipadas com 3D, quando o habitual era 60%. No exterior, no entanto, as cifras continuam generosas, especialmente por conta do preço do bilhete ser mais caro que o habitual.

A aposta da LG está na variação de sua tecnologia que, ao contrário do rival, que utiliza óculos munidos de bateria, usa os chamados óculos passivos, ou seja, semelhantes aos que se veem nos cinemas. "Contamos com a certificação ‘flicker free’, ou seja, mais estabilidade em suas imagens e com ângulo de visão mais amplo", explica Biase.

Conhecido por TV Cinema 3D, o aparelho começa a ser comercializado em julho e é, segundo a empresa, o primeiro televisor com a tecnologia 3D passiva do mundo. Seu segredo está na forma como é feita a separação de imagens para o olho esquerdo e o direito - feito isso, elas são combinadas com a ajuda dos óculos passivos, projetados especialmente para receber cada imagem, criando uma boa experiência tridimensional.

"Os óculos sem bateria são mais leves e permitem a popularização da tecnologia tridimensional. A conversão de imagens 2D em 3D com qualidade resolve uma das principais barreiras para a tecnologia deslanchar: a disponibilidade de conteúdos" afirma Felippe Motta, gerente de produtos de televisores da LG.

A empresa aposta na difusão de programas no formato 3D na televisão aberta e, principalmente, na por assinatura. A Copa América de futebol, por exemplo, que acontece na Argentina, será filmada com essa tecnologia, um aperitivo para o que virá: a Olimpíada de Londres no próximo ano e, principalmente, a Copa do Mundo de 2014 no Brasil.

Nos estudos sobre o gosto popular a respeito de formatos, Biase comenta que os aparelhos de 32 polegadas são os que têm mais saída. "Trata-se de um modelo que atende especialmente a classe C por dois motivos: preço e tamanho compatível com a sala das residências, normalmente não muito grandes."

O próximo passo, segundo ele, será desenvolver a TV em 3D que dispense o uso de óculos. "Creio que entre três e cinco anos já teremos tais aparelhos." /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.