Uece mantém censo mesmo após acusação de racismo

A Universidade Estadual do Ceará (Uece) mantém a realização do 1º Censo Discente Uece, mesmo com a ameaça de boicote dos estudantes de consideram racistas algumas questões do levantamento. A Uece disse que o Censo quer conhecer o perfil dos 18 mil alunos para planejar suas políticas estudantis e que as questões não têm a conotação racista.

LAURIBERTO BRAGA, Agência Estado

18 de julho de 2013 | 14h37

A questão "Você concorda que a qualidade dos cursos será prejudicada com a entrada de alunos negros?" revoltou os estudantes. Para a Uece, as questões 26 a 33, referentes às opiniões sobre o sistema de cotas raciais e sociais na universidade, têm o propósito de captar a compreensão dos alunos quanto aos argumentos que norteiam sua opinião eventualmente favorável ou desfavorável ao sistema de cotas nas universidades.

Os estudantes ameaçam boicotar o Censo. A orientação dada pelas lideranças estudantis é que os alunos não respondam a pesquisa em protesto contra às questões consideradas racistas.

O levantamento de dados realizado pela Pró-Reitoria de Graduação, Pró-Reitoria de Políticas Estudantis, Pró-Reitoria de Pós-graduação e Procuradoria Educacional Institucional tem 53 questões. O Censo servirá de referência para a execução de programas de ingresso e permanência, incluindo transferência de recursos públicos voltados para residência, alimentação e bolsas de assistência para os estudantes.

Mais conteúdo sobre:
Ueceraciscmo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.