UFPR: 66% dos alunos se envolvem em agressão na escola

Cerca de 66% dos alunos do ensino fundamental e médio disseram ter sofrido ou cometido agressões contra seus colegas de escola nos últimos seis meses, segundo pesquisa feita pelo Núcleo de Análise do Comportamento da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Entre os tipos mais comuns relatados estão soco, chute, revide a agressões físicas e até apelidos depreciativos. O resultado disso é que o estudo identificou presença quatro vezes maior de indícios de depressão entre alunos que são vítimas e sete vezes mais entre agressores e vítimas agressivas. A pesquisa foi desenvolvida com o objetivo de identificar as principais características de bullying - nome dado à violência interpessoal entre indivíduos da mesma condição - nas escolas brasileiras. Com base em questionários respondidos pelos alunos, que aferiam a qualidade do seu relacionamento com amigos, família e comunidade, os adolescentes foram divididos em quatro grupos: agressores, vítimas, vítimas agressivas e não-envolvidos. Participaram do trabalho 849 jovens matriculados entre a 5ª série do ensino fundamental e o 3º ano do médio de quatro cidades brasileiras - Curitiba (PR), Goiânia (GO), Governador Valadares (MG) e Teresina (PI). Os estudantes são de escolas públicas e particulares. O bullying tem sido uma preocupação constante entre especialistas em educação, não só no Brasil, mas também nos EUA. Estudo americano mostrou que 40% dos alunos do país não se sentem seguros nas escolas. Um trabalho análogo realizado no Brasil pelo próprio núcleo da Federal do Paraná identificou uma percepção de insegurança mais alta: 67%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

26 de fevereiro de 2009 | 08h23

Tudo o que sabemos sobre:
educaçãobullying

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.