UGT: não queremos 'fora, Dilma'; mas um 'se liga, Dilma'

O presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, afirmou nesta quinta-feira que o movimento criado pelas centrais não tem por objetivo pedir a saída da presidente Dilma Rousseff. "Nós não queremos um fora Dilma, estamos falando em um ''se liga Dilma'' por que a gente não critica a presidente e sim as políticas do governo", afirmou, citando a elevação da taxa de juros, por exemplo. Nesta quarta-feira, 10, o Banco central anunciou o terceiro aumento de 0,50 ponto porcentual da taxa Selic, para 8,5% ao ano.

CARLA ARAÚJO, Agência Estado

11 de julho de 2013 | 13h29

Patah disse ainda que a presidente precisa "enquadrar" os ministros para melhorar suas políticas, mas preferiu não mencionar nenhum ministro especificamente. Além das questões econômicas, o presidente da UGT defendeu ainda a realização de uma reforma política. Sem dar detalhes, disse que tal reforma seria necessária pois o congresso não esta alinhado com os anseios da população.

Patah afirmou que a UGT conseguiu mobilizar cerca de 10 mil trabalhadores para os atos dessa quinta-feira. "Estamos colocando para fora o que estava entalado na garganta", disse. Questionado se o movimento teria ficado aquém das expectativas, Patah disse que desde o início a movimento pretendia ser "um dia de reflexão". "Nunca falamos em greve geral e em trazer o caos para a cidade", disse.

Mais conteúdo sobre:
protestosUGTRicardo Patah

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.