Um dos maiores traficantes da América Latina é preso

Um cidadão paraguaio de 41 anos foi preso na manhã desta sexta-feira (12), em Foz do Iguaçu, no Paraná, apontado pela polícia como um dos maiores traficantes de drogas da América Latina. Jorge Marcial Mendes Alcaraz foi surpreendido por agentes do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) da Polícia Civil gaúcha por volta das 8h, quando tentava atravessar a Ponta da Amizade para o lado paraguaio.

LUCAS AZEVEDO, ESPECIAL PARA AE, Agência Estado

13 de julho de 2013 | 14h05

Os policiais chegaram ao estrangeiro ao investigar uma quadrilha da região metropolitana de Porto Alegre que distribuía drogas pelo Rio Grande do Sul. O bando liderado por Alcaraz é suspeito fornecer maconha e cocaína para o Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais, além do Chile. Conforme a polícia, ao menos 6 toneladas de entorpecentes já foram entregues no Brasil por intermédio do paraguaio.

Para o diretor da Divisão de Investigações do Narcotráfico (Dinarc) da Polícia Civil gaúcha, delegado Heliomar Franco, o grupo seria um dos maiores fornecedores de drogas da América Latina.

As investigações tiveram início em fevereiro deste ano, quando o Denarc gaúcho começou a monitorar uma quadrilha de Canoas, na Grande Porto Alegre, que distribuía a droga em território gaúcho. Do Paraguai, a droga vinha em fundos falsos de caminhões.

Em maio, em um caminhão com placas do Paraná parado, foram encontrados 300 kg de maconha, que seriam entregues no Rio Grande do Sul. Em Canoas, segundo a polícia, os traficantes utilizavam uma revenda de veículos como fachada para o negócio.

Nessa sexta-feira, os policiais também prenderam outras quatro pessoas suspeitas de integrarem a quadrilha que recebia a droga de Alcaraz e a repassava em território gaúcho. Cinquenta policiais participaram da operação Mercadores para cumprir dez mandados de busca e apreensão e cinco de prisão preventiva.

Alcaraz chegou a Porto Alegre no fim da manhã desta sexta e foi encaminhado a uma penitenciária de alta segurança, cujo nome não foi revelado. Já os demais presos estão no Presídio Central de Porto Alegre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.