Um quinto da população japonesa já tem 65 anos ou mais

O número de idosos no país ultrapassou os 27 milhões em 2007, disparando o alerta uma crise previdenciária

AE-AP

20 de maio de 2008 | 14h39

O número de idosos no Japão ultrapassou a marca dos 27 milhões em 2007, anunciou o governo do país nesta terça-feira, 20, disparando um alerta para uma iminente crise previdenciária e para o aprofundamento do vão entre ricos e pobres em um momento no qual a população japonesa envelhece em ritmo acelerado. Um relatório anual divulgado pelo governo japonês revela que as pessoas com 65 anos ou mais já integravam 21,5% da população no ano passado. A população com 75 anos ou mais já soma quase 10% dos habitantes do país asiático. "Nós já nos tornamos uma sociedade envelhecida madura", declara o relatório. "O ritmo do envelhecimento alcançou o maior nível (entre os países desenvolvidos) neste início de século 21 e a expectativa é de que entremos em uma fase jamais experimentada por nenhum outro país no mundo", prossegue o estudo. A população japonesa era de pouco menos de 128 milhões de habitantes em 2005 e começou a diminuir por causa do declínio da taxa de natalidade. O governo do Japão informou no início de maio que a população de crianças do país é a menor desde 1908. O relatório prevê um cenário complicado para o Japão para 2050, caso a tendência se mantenha: 25% de uma população inferior a 90 milhões de habitantes terão 75 anos ou mais; 40% terão pelo menos 65 anos. Uma estimativa da Organização das Nações Unidas (ONU) prevê que 16,2% da população mundial terão 65 anos ou mais em 2050. De acordo com o estudo, a longevidade dos japoneses aumentará no período. A expectativa de vida deverá ser de 90 anos para as mulheres e 84 para os homens até 2050. Atualmente, a expectativa de vida é de 86 anos para as mulheres e 79 para os homens no Japão. O deslocamento demográfico provocado pela mescla de baixa taxa de natalidade com maior expectativa de vida deve esmagar os serviços sociais e levar a escassez de mão-de-obra. Em 2005 eram precisos 3,3 trabalhadores para pagar a pensão de um aposentado no Japão. Segundo as projeções, em 2050 haverá apenas 1,3 trabalhador para cobrir a pensão de um aposentado. Para dissipar os temores, o governo japonês tem lançado programas para a contratação de idosos. A idade de aposentadoria está sendo ampliada gradualmente de 60 para 65 anos e o governo tem pressionado as empresas a manterem os funcionários até os 70. Mais de 60% dos idosos japoneses declaram-se saudáveis, mas quase a mesma proporção vai ao hospital quase diariamente, conclui o estudo.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãocrescimento demográficoidosos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.