Um terço dos espanhóis admite ser xenófobo, diz relatório

Índice de rejeição aos estrangeiros triplicou no país nos últimos oito anos.

Anelise Infante, BBC

01 de maio de 2008 | 14h00

Os espanhóis estão cada vez mais intolerantes com a imigração, segundo um relatório recém-lançado pelo governo da Espanha.De acordo com a pesquisa, nos últimos oito anos, o índice de rejeição aos estrangeiros triplicou, e um terço da população agora admite ser xenófoba.O relatório "Imigrantes: Novos cidadãos. A caminho de uma Espanha Intercultural" elaborado pela Confederação Espanhola de Bancos indica que parte dos espanhóis associa imigração com delinqüência e outros problemas.No ano de 2000, o índice de rejeição era de 10%. A última pesquisa revela que, nos primeiros meses de 2008, um terço dos espanhóis (30%) confessou ser xenófobo em ao menos alguma resposta.Quatro entre dez entrevistados, por exemplo, prefeririam não ter um vizinho imigrante ou cigano. Seis entre dez afirmam que a insegurança aumenta por culpa dos estrangeiros."Níveis de racismo"O relatório estabelece quatro níveis de racismo e xenofobia. O primeiro é o radical, dos que mantêm o discurso de superioridade e defendem a expulsão de todos os imigrantes.O segundo, chamado de inserção subalterna, inclui os que reivindicam prioridade para os espanhóis diante dos estrangeiros.O terceiro nível é o de integração formal, em que entram os moderados que concordam com condições de igualdade de direitos e deveres entre moradores locais e imigrantes.Os mais tolerantes estão na quarta categoria, chamada de cidadania instituinte. São os que defendem políticas de favorecimento aos imigrantes para melhorar sua integração.Os sociólogos Carlos Pereda e Miguel Ángel de Prada, autores do estudo, consideram "perigoso" o aumento da xenofobia e, apesar de a pesquisa indicar que a maior parte dos espanhóis está em níveis moderados de rejeição, advertem que "o futuro é preocupante"."Se continuarmos a ver nos veículos de comunicação a divulgação de estereótipos errados como que a imigração está ligada à delinqüência ou que gera um enorme gasto social, o número de radicais poderá aumentar", dizem os autores do relatório por meio de um comunicado à imprensa.EstatísticasO estudo tenta desmontar, com estatísticas, vários dos argumentos repetidos contra os imigrantes. Segundo os sociólogos, associar imigração com insegurança é um erro fácil de comprovar.Entre 2002 e 2006, o número de crimes na Espanha foi de 22%, enquanto o aumento da população estrangeira chegou aos 85%. "É simples de entender com números: quem diz que, com mais imigrantes, há mais delitos está errado", diz o relatório.Em relação aos custos sociais dos imigrantes, que são acusados pelos radicais de acabar com os fundos dos sistemas de saúde, emprego e educação, os sociólogos também afirmam que as críticas não correspondem à realidade.Segundo o estudo, só no ano de 2005 a imigração gerou 50% do superávit da Espanha (em contribuições a Previdência Social). Por ano, no balanço entre pagamentos de impostos e custos sociais, os imigrantes dão ao Estado 20% mais do que recebem em serviços públicos.Nos últimos dez anos, a população espanhola passou de 39,8 milhões a 45,4 milhões de habitantes, sendo 10% imigrantes. Os brasileiros estão entre as oito maiores colônias, com 175 mil pessoas entre legais e ilegais, segundo estimativas oficiais. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.