Unesp cria computador portátil 100% nacional

Seguindo tendência mundial de produção de microcomputadores de baixo custo visando à inclusão digital, pesquisadores da Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Bauru, apresentaram um novo modelo portátil desenvolvido com tecnologia nacional, informou a Agência Fapesp. O protótipo, denominado Cowboy, tem um custo de produção estimado em US$ 250, preço que, segundo Eduardo Morgado, coordenador do Laboratório de Tecnologia da Informação Aplicada (LTIA) da Unesp, poderá ser reduzido com o início da produção em escala industrial. Morgado define o novo produto como uma opção intermediária entre um palmtop e um notebook. "Ele não pode ser definido nem como um computador pessoal nem como um computador de bolso. O Cowboy é mais uma opção multimídia voltada para aplicações educacionais", disse à Agência Fapesp. Com capacidade de processamento que pode ser comparada à de um PC Pentium 3, o Cowboy tem tela colorida de LCD de 7 polegadas, processador de 400 MHz, 128 MB de memória RAM, HD de 1 GB, internet sem fio e saída de vídeo para TV ou monitor externo. Outra vantagem é a possibilidade de acesso a PCs ou servidores por meio de um sistema de conectividade, o UPnP (Universal Plug and Play). O equipamento utiliza sistema operacional Windows CE, que permite livre acesso ao código fonte para que sejam feitas modificações no programa original. Oferece ainda leitor e editor de documentos, navegador de internet, reprodutor de arquivos MP3 e de vídeos MPEG-2. O uso do mouse pode ser dispensado: as aplicações na tela são acessadas por apenas oito teclas. A tela pode ser deslizada para sobre o teclado, para uso semelhante ao de um game portátil. Como todos os dispositivos do Cowboy, do gabinete à placa-mãe, podem ser produzidos no Brasil, os pesquisadores de Bauru estudam propostas de parceria com a iniciativa privada para o início da fabricação e comercialização do produto. MEC Avaliações técnica, econômica e de aplicabilidade pedagógica de computadores educacionais semelhantes estão sendo coordenadas pelo Ministério da Educação (MEC). O governo federal deverá, ainda em 2007, definir qual será o modelo destinado a alunos de escolas públicas do País e adquirir as primeiras unidades. Um dos indicados é o modelo da organização não-governamental One Laptop Per Child, idealizado por Nicholas Negroponte, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos. Outros candidatos são o Classmate PC, da Intel, e o Mobilis, da indiana Encore Software. Profissionais de três centros nacionais de pesquisa coordenam as avaliações: o Laboratório de Sistemas Integráveis da Universidade de São Paulo (USP), o Centro de Pesquisas Renato Archer (CenPRA), em Campinas, e a Fundação Centro de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi), em Santa Catarina.

Agencia Estado,

28 Fevereiro 2007 | 17h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.