União Africana e forças da Somália assumem reduto controlado pelo Shabaab

A União Africana e soldados da Somália assumiram neste domingo o controle de Baraawe, uma cidade portuária usada pelo grupo al Shabaab para trazer armas e combatentes do exterior, depois que militantes ligados a al Qaeda fugiram sem lutar, disse a UA e um oficial somali.

REUTERS

05 de outubro de 2014 | 17h46

A União Africana e as forças armadas somalis lançaram uma ofensiva de articulação em março para expulsar os combatentes islâmicos das cidades e áreas que eles controlam e intensificaram a campanha em agosto, após uma onda de ataques armados e a bomba em Mogadíscio.

Muitos membros do al Shabaab foram presos e cidades menores foram retomadas, mas os rebeldes ainda mantêm faixas de território.

"Eu gostaria de compartilhar uma notícia muito boa com as pessoas da Somália. A capital do terror dos al Shabaab, Baraawe, está agora sob controle do governo da Somália”, disse o chefe interino das forças africanas em um comunicado divulgado pela União Africana.

Autoridades militares disseram que os soldados da UA e da Somália permaneceriam nos arredores de Baraawe por algumas horas e que entrarão na cidade na segunda-feira.

"Não há nenhum al Shabaab, mas nós sentimos que não era sábio entrar hoje, pois pode haver bombas plantadas na cidade", disse à Reuters um oficial militar sênior, que pediu para não ser identificado.

Abdikadir Mohamed Sidii, o governador da região de Lower Shabelle, no sul da Somália, onde se encontra Baraawe, disse que o al Shabaab fugiu antes do cerco à cidade.

"Nós instalamos a maioria dos soldados nos arredores da cidade para não assustar os moradores. Apenas alguns da infantaria estão lá dentro agora. O ambiente é calmo e não há nem ataque nem resistência. Os residentes são calmos", disse Sidii à Reuters.

Sheikh Abdiasis Abu Musab, porta-voz de operações militares de al Shabaab, recusou-se a comentar se o grupo tinha abandonado a cidade.

(Por Feisal Omar)

Mais conteúdo sobre:
SOMALIACIDADERETOMAM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.