União e governos estaduais devem se unir, diz Cardozo

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou nesta terça-feira (13) que para combater a criminalidade União e governos estaduais devem se unir, sem transferir a responsabilidade para apenas um dos lados. "É chegada a hora de parar de fazer o jogo do empurra, em que um empurra para o outro. É muito mais fácil dizer que a culpa é do Estado e não da responsabilidade da União, mas me recuso a dizer isso", afirmou durante evento sobre segurança em São Paulo, organizado pelo Grupo de Líderes Empresariais - Lide, em São Paulo.

BEATRIZ BULLA, Agência Estado

13 de novembro de 2012 | 14h13

Cardozo afirmou ainda que disputas políticas não podem ter lugar quando o debate é sobre segurança pública."Muitas vezes se quer a desgraça daquele que governa por não ser um aliado político, mas disputa eleitoral se faz no palanque", comentou, reforçando que governos estaduais devem dividir a responsabilidade com o governo federal no combate à criminalidade do País. O ministro selou na segunda-feira (12) acordo de cooperação com o governo do Estado de São Paulo para colaboração no combate da escalada da violência em São Paulo.

O ministro afirmou ainda que além da questão política o espírito corporativista também é um dos problemas centrais da questão da segurança pública nacional. "Muitas vezes, a Polícia Militar não dialoga com a Polícia Civil, a Polícia Federal não dialoga com a Polícia Rodoviária Federal, os juízes não conversam com promotores e promotores odeiam delegados", destacou o ministro, dizendo que as políticas corporativistas não podem comprometer as funções para as quais as próprias corporações existem.

Cardozo comentou que o crime organizado é uma das fortes causas da criminalidade hoje no mundo e mencionou ainda que as organizações criminosas se apoiam na corrupção do estado. "O crime organizado só se enraíza com a corrupção do aparelho do estado", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaCardozo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.