União Europeia concorda em enviar soldados para a República Centro-Africana

Ministros do Exterior da União Europeia (UE) concordaram nesta segunda-feira em enviar mil soldados para ajudar a controlar a situação na República Centro-Africana, a primeira grande operação militar do bloco em seis anos, disse uma fonte diplomática.

Reuters

20 de janeiro de 2014 | 14h00

Os ministros reunidos em Bruxelas aprovaram um plano para o envio de um batalhão, mas os detalhes militares ainda têm que ser acertados.

As autoridades europeias esperam conseguir a autorização do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas para a missão nesta semana. A força começaria a chegar na República Centro-Africana no fim de fevereiro e teria a capital Bangui como base.

Não está claro ainda que países da UE contribuiriam com tropas. A Estônia prometeu soldados. Lituânia, Eslovênia, Finlândia, Bélgica, Polônia e Suécia estão entre os que avaliam o envio de tropas, segundo diplomatas.

Países maiores do bloco como o Reino Unido, a Alemanha e a Itália afirmaram que não vão contribuir.

A República Centro-Africana vive uma situação de caos, depois que uma coalizão rebelde majoritariamente muçulmana tomou o poder em março, promovendo uma onda de assassinatos e saques e provocando a retaliação de milícias cristãs.

(Reportagem por Adrian Croft)

Mais conteúdo sobre:
REPCENTROAFRICANAUETROPAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.