União Europeia financia pesquisa no Mercosul

Os cinco estudos selecionados receberão ? 3 milhões de subvenção e têm participação de todos os países do bloco

Fernanda Yoneya, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2009 | 01h13

Para apoiar o desenvolvimento e a aplicação de novas tecnologias agrícolas e pecuárias no Mercosul, a União Europeia apresentou, no dia 12, em Brasília (DF), cinco pesquisas selecionadas pela Plataforma de Biotecnologias Biotecsur, que receberão subvenção de ? 3 milhões. Conforme o diretor da Biotecsur, Esteban Corley, a ideia é reunir os setores acadêmico, privado e público do Mercosul e propor a articulação da ciência com o setor produtivo.

O projeto recebeu 12 trabalhos. "Selecionamos duas pesquisas na área de bovinos; uma na área avícola; uma sobre soja e uma sobre florestas." Segundo Corley, um dos critérios de escolha é que o projeto tivesse a participação de, pelo menos, três países. Outro critério baseou-se na participação de pequenas e médias empresas na pesquisa e o terceiro referia-se ao seu caráter sustentável.

A pesquisa da cadeia aviária, das Universidades Federal do Rio Grande do Sul e da República do Uruguai e do Serviço Nacional de Qualidade e Sanidade Animal, do Paraguai, pretende usar a biotecnologia para fortalecer o status sanitário avícola regional, melhorando a eficiência do controle de doenças como newcastle, gripe aviária e salmonela.

Na cadeia bovina, uma pesquisa propõe o desenvolvimento de vacinas contra aftosa mais modernas e tem como representante brasileiro a Universidade Federal do Rio de Janeiro. Já a pesquisa que quer desenvolver vacinas contra tuberculose é do Centro de Biotecnologia da Universidade Federal de Pelotas, entre outros sócios do bloco. Na cadeia florestal, a pesquisa, com participação da Embrapa, estuda genes de interesse industrial do eucalipto. Nas oleaginosas, o tema é melhoramento genético da soja frente a situações de stress, com participação da Embrapa e UFRGS.

INFORMAÇÕES: Site www.biotecsur.org.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.