Única anomalia no Discovery parece ser titica de passarinho

A tripulação do ônibus espacial Discovery, já em órbita, usou câmeras ligadas a um braço mecânico de 15 metros para examinar a nave, em busca de danos que tivessem sido causados pelo lançamento na terça-feira. Nada de grave foi encontrado, mas ainda é muito cedo para tirar conclusões, dizem especialistas. A única coisa incomum encontrada, ao menos até agora, foi uma mancha esbranquiçada na asa direita, e que parece ser titica de passarinho. E havia um pousado na asa há algumas semanas, na área de lançamento, disse o diretor de vôo, Tony Ceccacci. Ele afirmou que a imagem será analisada para que se tenha certeza de que não passa da "assinatura" de uma ave.Ceccacci afirmou ainda que a nave continua no rumo para atracar na Estação Espacial Internacional (ISS) nesta quinta-feira pela manhã. Os astronautas realizam suas tarefas dentro do ônibus espacial e trabalham para manter a missão dentro do cronograma, disse ele.Imagens feitas durante o lançamento da nave mostram alguns pedaços pequenos de detritos caindo do tanque externo de combustível, e pelo menos um desses fragmentos atingiu o ônibus espacial.Utilizando novas técnicas de inspeção, implementadas após o desastre do Columbia, em 2003, os astronautas usaram câmeras de vídeo, laser e digitais para inspecionar o veículo. Esse equipamento é capaz de detectar danos com tamanho a partir de 3 milímetros.Nesta quarta-feira, os astronautas manobraram o braço mecânico, com as câmeras ligadas, para verificar a asa direita e o nariz da nave. O trabalho tem de ser feito com cuidado - o braço poderia danificar o revestimento protetor do ônibus espacial, mas a câmera de radar tem de chegar a menos de 3 metros para localizar um dano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.