Unidade já tinha sofrido pequenos focos de fogo

Local possuía sensores que emitiam um alarme ao menor sinal de fumaça, ambiente seco e denso facilita expansão do fogo

FERNANDA BASSETTE, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2012 | 03h02

A Estação Comandante Ferraz já havia sofrido pequenos princípios de fogo que foram controlados graças ao sistema de sensores do local. Ainda não se sabe por que eles falharam.

Segundo a arquiteta Cristina Engel Alvarez, uma das responsáveis pela reforma feita na base em 2005 e coordenadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Antártica de Pesquisas Ambientais (INCT-APA), todos os ambientes possuíam sensores com alarmes que soavam ao menor sinal de fumaça.

"Se alguém resolvesse fumar em um dos camarotes, o alarme soava. Se esquentasse água em ebulidores, também. O alarme sempre tocava, às vezes por motivos bobos, outras para treinamento, e outras para indicar pequenos princípios de incêndio que já aconteceram", diz a arquiteta, que afirmou não ter ideia do por que o alarme não ter disparado na noite do acidente.

Em uma das situações, por exemplo, o fogo começou porque peças de roupa foram colocadas para secar em cima dos antigos aquecedores elétricos. "Houve um investimento para trocar o sistema de aquecimento elétrico por radiadores com água para evitar esse tipo de problema."

A preocupação com o fogo sempre existiu porque o ambiente antártico facilita que as chamas se alastrem por ser muito seco. "O ambiente seco é a principal forma de propagação do fogo e tende a incendiar muito mais rápido do que um local úmido. E o sistema de aquecimento deixava o local mais seco ainda."

Além disso, explica Cristina, as estações tentam criar um ambiente agradável aos ocupantes - os ambientes têm elementos combustíveis, como revestimento de madeira e sofás de tecido.

O adensamento da unidade também ajudou a propagar as chamas. "A estação está construída no fundo de um vale e não tem para onde crescer", disse. "Sempre houve preocupação com segurança. Nunca ninguém morreu em 30 anos. O que aconteceu foi uma fatalidade", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.