Universidades dos EUA adotam avaliações

Tem crescido no país o número de instituições que testam alunos no 1.º e no último ano para medir aprendizado

AP, O Estado de S. Paulo

19 Março 2012 | 03h03

WASHINGTON - Está ocorrendo, nas universidades dos Estados Unidos, um aumento de iniciativas de avaliação de alunos de primeiro e último anos. O objetivo é medir o aprendizado do momento em que se entra no ensino superior até a formatura.

Mais de cem instituições de ensino publicaram voluntariamente os resultados desses novos testes, oferecendo a pais, possíveis futuros alunos e a órgãos reguladores do governo uma medida do valor que as universidades adicionam às habilidades de pensamento crítico e aquisição de conhecimento.

Uma dessas instituições é a Universidade do Texas, que criou há oito anos uma prova nesses moldes, chamada Collegiate Learning Assessment (CLA). Um dos fenômenos observados é de que os alunos em geral vão bem nessa prova, mas os formandos não tiram notas muito superiores às dos calouros. Os gestores da universidade usam esses dados para buscar melhorar o ensino.

A Universidade do Texas é uma das poucas instituições de ensino superior dos EUA que exigem que o CLA seja feito. Outras escolas aplicam, esse teste - e também outros dois, o Collegiate Assessment of Academic Proficiency e o Proficiency Profile - de maneira voluntária, e os resultados normalmente não são publicados.

O movimento de avaliações de alunos universitários começou como mero exercício interno. Mas isso mudou radicalmente no ano passado, quando dois sociólogos - Richard Arum, da Universidade de Nova York, e Josipa Roksa, da Universidade de Virgínia - usaram os resultados do CLA para criticar o nível do ensino superior americano.

Depois de aplicar o teste em 24 faculdades privadas e públicas, a dupla de especialistas concluiu que somente 36% dos alunos mostraram ganhos de aprendizado significativos.

Méritos. Diretores das escolas se dividem quanto aos méritos da avaliação. Muitas adotaram os testes como uma ferramenta entre várias para medir os resultados dos alunos.

"Acho que foi uma revelação", disse Jeff Albernathy, presidente do Alma College, uma escola de artes em Michigan. "É difícil ter dados sobre o aprendizado dos alunos em todas as disciplinas."

Há alguns anos, o Conselho de Faculdades Independentes organizou um consórcio de escolas privadas para aplicar o CLA e compartilhar suas conclusões. Chegaram a participar 57 instituições, disse Richard Ekman, presidente do conselho. Mas a iniciativa foi encerrada.

Poucas instituições privadas publicam os resultados da avaliação. Mas 144 universidades públicas informaram as notas no site collegeportraits.org, com base no Voluntary System of Accountability, lançado em 2007 por duas associações de universidades públicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.