Universitários que ocupam Canecão promovem shows

A música voltou ao Canecão, tradicional casa de shows da zona sul, fechada em outubro de 2010, quando a Justiça determinou a devolução do imóvel à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Alunos da instituição, que ocupam o local desde a semana passada, estão promovendo rodas de samba, apresentação de bandas, festas, entre outras atividades culturais.

CLARISSA THOMÉ, Agência Estado

30 de julho de 2012 | 20h02

"Em dois dias, fizemos o que a UFRJ não fez em dois anos", diz a estudante de comunicação Carolina Barreto, de 26 anos, integrante do comando de greve. Além da ocupação cultural, os alunos se reuniram num mutirão de limpeza. "Gastamos R$ 600 em produtos, como detergente, desinfetante", afirma. Até o fim da semana, estão previstos maratona de cinema e oficinas de teatro.

A ocupação faz parte do movimento grevista de alunos, professores e técnicos administrativos da universidade federal, que paralisaram as atividades em 17 de maio. Entre as reivindicações, está a garantia de que a casa de shows se torne um espaço totalmente público, sem gestão compartilhada com a iniciativa privada.

Entre 30 e 40 alunos estão dormindo na antiga casa de shows. Eles armaram barracas de camping e instalaram colchões junto à antiga bilheteria. Professores da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo fizeram uma vistoria no local e recomendaram que os estudantes evitassem circular no que já foi a plateia do Canecão - parte do teto está cedendo. Os estudantes marcaram para quinta-feira uma reunião com associação de moradores e lojistas do bairro de Botafogo, para discutir o futuro do Canecão.

Em nota, a UFRJ explica que "o imóvel foi reintegrado à UFRJ em precaríssimas condições estruturais e infraestruturais, decorrentes da prolongada falta de manutenção e investimentos por parte do antigo ocupante". E que já há um processo de licitação para obras emergenciais. A nota não esclarece o uso que a universidade pretende dar ao espaço.

Tudo o que sabemos sobre:
educaçãoUFRJCanecão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.