'Usamos trator e água do lago para debelar o fogo'

"Fizemos o máximo para que a tragédia não se tornasse pior. Os dois (suboficial Carlos Alberto Vieira Figueiredo e o sargento Roberto Lopes dos Santos, mortos no incêndio) usavam roupas adequadas, máscaras, galões de oxigênio e estavam com cordas amarradas no corpo, um procedimento de segurança, para serem puxados em caso de emergência. Todos estavam preparados. No caso dos dois, como iam entrar, a roupa era diferenciada. Os procedimentos foram tomados. Cada um estava fazendo o que foi treinado para fazer. Ninguém tomou atitude insensata, que não tivesse sido delegada.

O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2012 | 03h03

Depois que os dois demoraram a voltar, três tentaram entrar, mas a temperatura era alta demais. Quando o segundo tentou ir se arrastando, o comando determinou que não continuasse. Então o terceiro homem se agachou, o pegou pelo pé e o trouxe de volta. Verificou-se que não havia segurança.

Tentamos destruir anteparos da estação, mas a estrutura foi resistente, mesmo usando o maior dos nossos tratores. A gente combateu com força e suor, mas não foi possível. Na tentativa desesperada de captar água do lago para acabar com o incêndio, tivemos hipotermia. Foram os civis que ajudaram a sanar a hipotermia de um militar e as queimaduras do nosso amigo, o primeiro-sargento Luciano Gomes Medeiros (que ficou ferido no incêndio). Apesar da ideia fixa de que já tínhamos perdido homens e nosso trabalho não tinha sido 100%, não paramos em momento algum. Havia três comandantes, dez praças e um alpinista, que é PM no Estado de São Paulo, atuando no resgate das vítimas. Eles honraram com a própria vida, com esforço e dedicação, para que fosse feito o melhor. O resultado não mostra isso. Somente nós, que presenciamos, temos certeza. São homens que entrarão para a história, pelo menos na vida de quem estava lá.

O (sargento) Santos era fascinado por fotografia. Almoçávamos e jogávamos bola juntos. O (suboficial) Figueiredo era mais fechado, mas participava do grupo. Eles foram a minha família nos últimos meses."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.