Uso e abuso de drogas ilícitas pode ter causa genética

Pesquisadores descobriram que fatores genéticos podem ter um papel importante no uso, abuso e dependência de drogas ilícitas como maconha, estimulantes, ópio, cocaína e drogas psicodélicas. Na edição de julho da revista Psychological Medicine, pesquisadores da Universidade Commonwealth da Virginia (VCU), em colaboração com pesquisadores do Instituto Norueguês de Saúde Pública e da Universidade de Oslo, reportam os resultados de um estudo de gêmeos que mostrou que fatores genéticos influenciam o uso de drogas ilícitas na Noruega, um país com níveis significativamente baixos de uso de substâncias psicoativas."Estudos anteriores do uso e abuso de drogas ilícitas feitos com gêmeos foram todos conduzidos em países anglófonos, especificamente nos Estados Unidos e na Austrália, com altos níveis de uso. Esse é o primeiro estudo em um país de língua não-inglesa com índices muito menores de uso de drogas - ainda assim, os resultados são similares. O uso, abuso ou dependência de drogas é um tanto hereditário", disse Kenneth S. Kendler, professor de psiquiatria e genética humana na Escola de Medicina da VCU.A equipe examinou o papel dos fatores genéticos e ambientais na progressão do uso e abuso de substâncias psicoativas.Aproximadamente 1.400 pares de gêmeos jovens adultos do Quadro de Gêmeos do Instituto Norueguês de Saúde Pública foram entrevistados e avaliados de acordo com o uso de drogas ilícitas ao longo da vida, incluindo maconha, estimulantes, ópio, cocaína e drogas psicodélicas. Os pesquisadores definiram como uso significativo de substâncias ilícitas o consumo em dez oportunidades, ou mais.Teorias anteriores sugeriram que os fatores genéticos poderiam ser de menor importância no uso de drogas em sociedades em que as drogas não são amplamente disponíveis. De acordo com Kendler, os resultados deste estudo são inconsistentes com essa teoria.

Agencia Estado,

05 de julho de 2006 | 15h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.