Filipe Araújo/AE-16/6/2011
Filipe Araújo/AE-16/6/2011

USP vai investir R$ 5 milhões em ensino prático

Verba é destinada apenas à graduação e deve ser aplicada nos laboratórios dos cursos; comissão vai selecionar dez projetos

MARIANA MANDELLI, O Estado de S. Paulo

10 de outubro de 2011 | 03h04

A Universidade de São Paulo (USP) lançou um projeto especial voltado para os laboratórios da graduação. A instituição vai investir uma verba de R$ 5 milhões para que os cursos desenvolvam a integração da teoria com a prática.

Com o novo programa, a ideia da universidade é melhorar a interação entre professores da USP e permitir que os alunos, junto com os docentes, desenvolvam projetos de pesquisas de relevância científica. Além disso, a USP quer que os cursos se autoavaliem e discutam suas práticas atuais.

O programa se chama Pró-Inovação no Ensino Prático de Graduação (Pró-IEP) e faz parte da política de valorização da graduação que a universidade está implementando. É a primeira vez que uma quantia tão grande de dinheiro é destinada à área.

"É o primeiro projeto da Pró-Reitoria de Graduação em que a concessão da verba não está vinculada proporcionalmente com o número de matrículas das unidades", afirma Telma Zorn, pró-reitora de graduação. "É um investimento no perfil típico da pesquisa que alguns cursos têm em potencial."

Segundo ela, o projeto é essencial no preparo dos alunos de graduação para o mercado de trabalho. "Não é possível formar um profissional apenas com a teoria", explica Telma. "A USP precisava dar um passo nesse sentido e isso tudo custa caro."

A verba será dividida por dez projetos de melhoria e inovação dos laboratórios dos cursos. Cada projeto deve custar, no máximo, R$ 500 mil. Eles serão selecionados por uma comissão constituída pela pró-reitoria de graduação e por membros externos ao Conselho de Graduação (CoG) - provavelmente, pró-reitores de outras universidades.

As unidades interessadas devem inscrever seus projetos até meados de dezembro. Em fevereiro, os selecionados devem ser divulgados.

Oportunidade. Para os cursos que têm diversas disciplinas que dependem dos laboratórios, o projeto da Pró-Reitoria de Graduação é um bom começo. Os professores ressaltam que, sem os laboratórios, os alunos não têm como realmente praticar o que foi ensinado - como é o caso da área de saúde.

"A habilidade manual e o atendimento ao próximo são treinados dentro dos laboratórios", afirma Atlas Edson Nakamae, supervisor técnico e científico dos laboratórios da Faculdade de Odontologia da USP. "É neles que ocorre o preparo do aluno para lidar com o público e com procedimentos cirúrgicos complexos, que demandam muita responsabilidade."

Além do preparo do profissional para o mercado de trabalho, os professores ressaltam o aspecto acadêmico dos laboratórios para a graduação. "É nesse ambiente que se dá a pesquisa e o desenvolvimento científico, além proporcionar o conhecimento interdisciplinar para os estudantes", diz Carlos Zibel Costa, professor do curso de Design da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.

Informatização. O investimento nos equipamentos tecnológicos dos laboratórios, de acordo com os docentes, é outro ponto de extrema importância para os cursos.

"Temos sempre de estar nos atualizando e o uso de novas tecnologias é de extrema importância para isso, para os docentes e especialmente para os alunos", diz Kazuo Nishimoto, do Departamento de Engenharia Naval e Oceânica da Escola Politécnica.

Relacionamento. Os docentes dos cursos de graduação destacam que as aulas que ocorrem nos laboratórios reforçam a relação entre os professores e os estudantes.

"A interação é muito maior que em sala de aula", diz Jurandyr Ross, professor titular de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH ). "Quando o aluno vê a aplicação de tudo que aprendeu, ele se empolga." Ross destaca que, apesar de o curso ser da área de humanas, o uso dos laboratórios é intenso por conta, por exemplo, das imagens de radares e satélites.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.