Vaca ?madrinha? reduz stress na desmama

Na Fazenda Santa Bárbara e Rancho Seco, de cria, recria e engorda de gado nelore e cruzado, em Ivinhema (MS), o manejo inclui, após o diagnóstico de gestação, a separação das vacas que emprenharam das vacas "vazias", que não emprenharam. "As vacas com diagnóstico positivo de gestação são colocadas em piquetes-maternidades e divididas por lotes de 120 a 150 animais: as vacas que vão dar cria pela primeira vez são separadas das que já deram cria", explica o médico veterinário da fazenda, Reinaldo Ledesma. Na fazenda, 7.800 vacas e novilhas entram em cobertura: 2 mil são inseminadas artificialmente e o restante é por monta natural. Após o nascimento, o manejo dos bezerros, conforme recomenda a pesquisadora Luciandra Toledo, é feito somente no dia seguinte. "A desinfecção do umbigo é feita depois de pelo menos seis horas", diz o veterinário. Luciandra explica que a assepsia do umbigo deve ser feita no dia seguinte ao nascimento, com iodo ou produto similar a 10% e, para evitar problemas com bicheira, deve-se aplicar antiparasitário com ação larvicida. Aos sete, oito meses de idade, época da desmama, a dica da pesquisadora é utilizar "vacas madrinhas." "São vacas adultas que são colocadas no rebanho para amenizar o impacto da desmama. Elas até ensinam o bezerro a se alimentar melhor e mais rápido", afirma. Outra dica é, após a desmama, manter os bezerros nos mesmos piquetes em que eles estavam antes com as mães.

O Estado de S.Paulo

24 Dezembro 2008 | 00h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.