Vacinas contra gripe suína estão no fim no RS

A ênfase do combate ao vírus é a orientação para que a população tome medidas preventivas como lavar as mãos

ELDER OGLIARI / PORTO ALEGRE, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2012 | 03h05

O número de mortes causadas pela gripe suína no Rio Grande do Sul subiu para 29, com a confirmação de mais 6 ocorrências pela Secretaria Estadual da Saúde. O levantamento foi divulgado ao mesmo tempo em que o estoque de vacinas começa a se aproximar do fim em diversos municípios, entre os quais Porto Alegre e Santa Rosa, que só mantêm uma reserva adequada ao atendimento das doses de reforço para crianças.

Assim como em outros Estados, a ênfase do combate ao vírus passa a ser na orientação à população para que tome medidas preventivas como lavar as mãos, evitar aglomerações e, em caso de suspeita, procurar atendimento médico.

O quadro atual é diferente daquele observado durante a campanha de vacinação dos grupos mais vulneráveis - crianças, gestantes, idosos, trabalhadores da saúde e índios. Naquela época, parte do público-alvo nem procurou a imunização, fazendo com que o final da campanha fosse prorrogado para incentivar todos a se vacinarem. Depois disso, com a divulgação dos óbitos, toda a população passou a buscar a proteção.

Estados com maior incidência da doença conseguiram lotes remanejados. O Rio Grande do Sul, que havia aplicado 2,7 milhões de doses na campanha, recebeu 800 mil doses extras. O critério de aplicação da vacina fica a cargo de cada município.

Em nota, a Secretaria da Saúde de Porto Alegre anunciou que a vacinação está encerrada com a meta de cobertura de 80% da população de risco superada, já que o índice chegou a 87%. Na capital gaúcha, que tem 1,4 milhão de habitantes, foram imunizadas pelo menos 237 mil pessoas nos serviços públicos, além das que pagaram pela vacina em clínicas particulares.

"De um modo geral fizemos uma grande cobertura, mas os prazos foram prorrogados porque vimos quer a procura inicial estava baixa", comenta o coordenador adjunto da Vigilância em Saúde de Porto Alegre, Anderson de Araújo Lima.

Prazo maior. Em Cruz Alta, a prefeitura também prorrogou a campanha de vacinação. Como está em região de maior incidência, o município conseguiu mais 15 mil doses, já aplicadas, e outras 25 mil, que serão aplicadas nos próximos dias. Amanhã as pessoas serão atendidas mediante apresentação de senhas.

O secretário estadual da Saúde, Ciro Simoni, diz que o volume de vacinas distribuídas foi adequado. E diz que o Ministério da Saúde não sinalizou com o envio de novos lotes, provavelmente pelo fim do estoque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.