Vale tem queda menor de preço de minério do que Rio Tinto

A Vale fechou acordo com siderúrgicas do Japão e da Coréia do Sul para redução de preços de referência do minério de ferro produzido pela empresa para este ano. O corte de preço foi menor do que o aceito pela concorrente Rio Tinto no final de maio.

DENISE LUNA, REUTERS

10 Junho 2009 | 10h04

A Vale, maior produtora da commodity no mundo, acertou queda de 28,8 por cento no preço do minério de ferro fino e de 44,47 por cento no preço do granulado. O preço de pelotas de alto forno caiu 48,3 por cento em relação ao praticado em 2008.

Para analistas que acompanham a empresa, os ajustes vieram dentro do esperado e não devem alterar o comportamento das ações da mineradora brasileira nesta quarta-feira, principalmente porque o principal mercado da Vale, a China, continua sem uma solução.

"Não fugiu muito do esperado, o mercado falava entre 25 e 27 por cento para o fino, que é o principal para a Vale", avaliou o analista da corretora SLW Pedro Galdi.

"Mas o importante mesmo para eles (Vale) é a China, e existe uma pressão muito forte para fechar ainda este mês esse acordo", complementou.

O corte menor no preço em relação à Rio Tinto, que havia aceito redução de 33 por cento para o minério fino, também não surpreendeu os especialistas.

"Veio dentro das nossas expectativas", resumiu a analista Cristiane Viana, da Ágora, que previa corte de 28,1 por cento.

O acordo da Vale foi acertado com a japonesa Nippon Steel, a sul-coreana Posco, e também com as siderúrgicas do Japão Sumitomo Metal Industries, Kobe Steel e Nisshin Steel.

Com isso, os novos preços de referência para 2009, em tonelada métrica seca, são de 0,8543 dólar por unidade de ferro para o minério de ferro fino do Sistema Sudeste, 0,8987 dólar para o fino de Carajás (SFCJ), 0,9942 dólar para o granulado do Sistema Sudeste e 1,0094 dólar para o granulado do Sistema Sul, informa a Vale. O preço da pelota, também em tonelada métrica seca, passou a 1,1043 dólar.

"Se pegar o preço em dólar que a Vale vinha praticando, levando em conta que ela aumentou menos o minério em 2008, o corte devia ser menos mesmo que a Rio", disse Galdi. "A pelota que veio mais forte, mas mesmo assim era dentro do esperado", afirmou o analista.

Como são um tipo de minério de ferro enriquecido, as pelotas são utilizadas principalmente quando se deseja aumentar a produtividade dos alto fornos das siderúrgicas, o que não é necessário em períodos de fraca demanda, como ocorre no momento.

Os primeiros acordos de preços de minério de ferro deste ano com siderúrgicas japonesas e sul-coreanas foram acertados pela mineradora australiana Rio Tinto, de reduções de cerca de 33 por cento.

Mais cedo, a publicação chinesa Beijing News, informou que a Vale fechou acordos de fornecimento de minério com 38 pequenas siderúrgicas da China, para volume de mais de 50 milhões de toneladas este ano.

(Edição de Alberto Alerigi Jr.)

Mais conteúdo sobre:
MINERACAOVALE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.