Valor dos imóveis triplicou no Largo

Na Prefeitura, há pedidos de 37 novos prédios para a região

RODRIGO BRANCATELLI, O Estadao de S.Paulo

28 de novembro de 2009 | 00h00

Pelas ruas do Largo da Batata já há até um clima de saudosismo no ar. Um sentimento difícil de explicar em um único parágrafo, mas que movimenta uma poderosa teia de memórias, medos, apreensões, receios e muitas, mas muitas dúvidas.

"Ainda estamos sem saber como vai ser no futuro, né, ainda mais se subirem os aluguéis. Como essa nova farmácia que abriu aqui do lado. O perfil do largo está mudando, mas não dá para imaginar se vai ser bom ou ruim se continuarmos aqui", diz Leonardo Shima, que cuida da farmácia inaugurada pelo sogro, Yoshitomi Assakaua, há 54 anos.

"Eu nasci aqui no Largo da Batata e continuo aqui", completa o engenheiro Domingos Barone, cliente cativo de seu Shima. "Lembro até de vir aqui na farmácia para tomar injeção. Injeção mesmo, daquelas de vidro. Mas hoje estou quase vendendo a minha casa. Começaram oferecendo R$ 2 mil o metro quadrado, mas já me ligaram tentando comprar por R$ 4 mil, e alguns lugares já subiram para R$ 6 mil."

"Já fecharam várias lojinhas, o Bazar 13, o Albano, a Casa das Miudezas, a tabacaria", continua Leonardo Shima. "Acho que é inevitável o que vai acontecer..."

Acreditando no ganho potencial da área - que, reformada e com uma nova estação do Metrô, estará mais integrada com o restante da cidade -, construtoras estão em busca de terrenos para incorporação e os primeiros empreendimentos começam a aparecer. Esse boom imobiliário atinge um perímetro de cerca de 4 quilômetros quadrados, delimitado pela Marginal do Pinheiros, pelas Ruas Frederico Herman Júnior, Purpurina, Aspicuelta, Cristiano Viana e pela Alameda Gabriel Monteiro da Silva - na Prefeitura, há o pedido de 37 novos prédios para a região.

"Ofertas? Nossa, teve uma semana em que todo dia alguém ligava querendo comprar meu terreno", conta Regina Almeida, médica de 42 anos que mora num charmoso sobrado que pertenceu ao avô. "O problema é que compraram todas as casas vizinhas, não tenho o que fazer. É uma venda à força, sabe." Segundo dados da Empresa Brasileira de Estudos do Patrimônio (Embraesp), o valor do imóvel nessa área triplicou nos últimos cinco anos e deve continuar em escalada.

A exemplo do que já ocorreu em bairros como a Vila Olímpia, Pompeia, Perdizes e Tatuapé, só para ficar nos casos mais recentes, chegam as máquinas, os incorporadores, os prédios de alto padrão, as lojas de luxo, os estacionamentos caríssimos. Tudo isso obviamente causa um grande impacto na vida dos moradores mais tradicionais do bairro. "Meu amigo, a gente não tem mais espaço aqui, não", diz Luiz Quaresma Neto, de 52 anos, que mora no bairro e tem uma lanchonete no largo. "Estamos à venda. Não vai dar mais para pagar o aluguel aqui, e o meu público já está desaparecendo. Minha família está neste mesmo endereço há pelo menos três décadas, quando aqui era um reduto japonês. Meu avô contava que o largo cheirava a shoyu e missoshiru. Já meu pai viu isso aqui florescer, viu todo o movimento que chegou com os ônibus, com a imigração nordestina. Agora, eu vejo essa história sumir. Sempre fico pensando o que contarei para o meu filho, se vai ser um final feliz ou triste."

PREJUÍZO

Para o arquiteto e historiador Benedito Lima de Toledo, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP), a obra no Largo da Batata pode melhorar o trânsito e a fluidez, mas vai invariavelmente render prejuízo à identidade do Município. "Isso já aconteceu em diversos bairros, e ainda vai acontecer com outros", diz.

"A unidade da vizinhança fica extremamente prejudicada, e valores são sacrificados em nome do crescimento de São Paulo. Mesmo com a degradação posterior, a riqueza da história de Pinheiros é única. Em Santana, por exemplo, foi a mesma coisa, a ocupação jesuíta foi esquecida e os endereços históricos foram destruídos. Quando capítulos como esses somem assim, há um empobrecimento histórico da nossa cidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.