Vaticano alerta contra compra de relíquias de João Paulo II

Declaração foi feita após informações de que pedaços da indumentária do papa estavam à venda na internet

BBC,

26 de setembro de 2007 | 10h56

O Vaticano advertiu nesta quarta-feira, 26, os católicos de que a compra de relíquias é um sacrilégio, depois de informações de que pedaços da indumentária do papa João Paulo II estavam à venda na internet.   O site da Diocese de Roma vem oferecendo pequenos pedaços do hábito de João Paulo II como parte da campanha de beatificação, mas o site foi inundado com pedidos, depois de informações na mídia italiana de que as relíquias estavam à venda.   João Paulo II morreu em abril de 2005 e foi o terceiro papa a passar mais tempo à frente da Igreja Católica.   O site da Diocese vem oferecendo a relíquia com uma oração de um lado e o "ex-indumentis" - um pedaço da roupa do papa - do outro, desde o início do ano passado.   Qualquer pessoa que clicar no link para pedir a relíquia é levado agora a um artigo no qual o porta-voz da Diocese, Monsenhor Marco Frisina, adverte que é sacrilégio comprar ou vender relíquias.   Sacrilégio   A versão italiana do site ainda especifica que a relíquia é gratuita, e que os interessados devem enviar apenas uma pequena doação opcional para cobrir os custos com o correio.   A Diocese vai mandar um relíquia a todos os que pedirem, disse o diretor de comunicação social, Monsenhor Marco Fibbi. "Não temos a intenção de permitir que esses objetos tenham valor de itens de coleções", disse ele.   "É apenas um objeto de devoção. É inútil tentar colecioná-lo ou vendê-lo na internet porque podemos satisfazer qualquer pedido por este objeto."   João Paulo II, nascido na Polônia como Karol Jozef Wojtyla, está sendo considerado para beatificação, o primeiro passo para a santificação.

Tudo o que sabemos sobre:
VaticanoRelíquiasJoão Paulo II

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.