Vaticano e muçulmanos preparam conferência com o papa

Representantes islâmicos efuncionários do Vaticano começam nesta semana a discutir arealização de uma inédita conferência católico-islâmica. Cinco representantes de cada lado vão se reunir durantedois dias na terça-feira em Roma para discutir os detalhes deum possível encontro mais amplo, ainda neste ano, com apresença do papa Bento 16. "Temos de atualizar o diálogo depois dos grandes êxitos dopontificado de João Paulo 2o", disse Yahya Sergio YahePallavicini, vice-presidente da Comunidade ReligiosaÍtalo-Islâmica. As relações entre católicos e muçulmanos degringolaram em2006, quando Bento 16 citou numa conferência em Regensburg,Alemanha, uma frase que muitos muçulmanos consideraramofensiva, por sugerir um caráter violento e irracional para oIslã. Diante dos protestos de muçulmanos no mundo inteiro, o papafoi à Turquia e rezou voltado para Meca, ao lado do imã daMesquita Azul, em Istambul. Após o episódio do discurso de Regensburg, 138 acadêmicosislâmicos escreveram ao papa e a outros líderes cristãos, em2007, dizendo que "a própria sobrevivência do mundo," podedepender do diálogo entre os dois credos. Depois disso, onúmero de adesões ao documento subiu para 225. "Agora há necessidade de um diálogo mais profundo arespeito da doutrina, da teologia e do caráter da religião nomundo de hoje, e dos desafios que enfrentamos", dissePallavicini à Reuters. "Devemos junto com o papa tentar seguir um caminho dediálogo a respeito das questões que confrontam a humanidadehoje", acrescentou.

PHILI, REUTERS

03 de março de 2008 | 19h18

Tudo o que sabemos sobre:
PAPAMUÇULMANOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.