Vaticano prepara grande reunião com muçulmanos

Iniciativa é resposta à carta em que islâmicos pediram paz entre muçulmanos e cristãos.

BBC Brasil, BBC

03 de janeiro de 2008 | 16h05

O Vaticano está organizando um grande encontro que vai reunir líderes católicos e muçulmanos em Roma com o objetivo de dar início a um processo de diálogo entre as religiões.A reunião, ainda sem data marcada, vai ocorrer durante a primavera no hemisfério norte, entre março e junho.A iniciativa do Vaticano é uma resposta a uma carta enviada por 138 líderes muçulmanos ao papa Bento 16 e a outros líderes cristãos em outubro. Na carta, eles advertiram que "a sobrevivência do mundo estaria em risco se muçulmanos e cristãos não alcançarem a paz". "Se mulçumanos e cristãos não estiverem em paz, então o mundo não estará em paz", disseram os líderes na carta de 29 páginas. A mensagem também foi considerada um convite aberto para que cristãos e muçulmanos se unissem em torno de aspectos fundamentais de suas fés, como a cresnça em um só Deus. DiscussõesNos próximos meses, três representantes do grupo que enviou a carta irão a Roma para um encontro com o presidente do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, o cardeal Jean Louis Tauran. Na ocasião, os líderes religiosos devem estabelecer as bases para o grande encontro previsto para a primavera. A reunião deve ter três principais: o respeito à dignidade do indivíduo, o entendimento recíproco das religiões e como obter maior tolerância entre os jovens.A relação entre a Igreja Católica e os muçulmanos foi balançada em 2006 depois que o papa, durante uma palestra numa universidade da Alemanha, questionou a Guerra Santa, ou a prática de espalhar a fé com o uso da violência.A declaração gerou protestos em todo o mundo muçulmano. Em Nablus, na Cisjordânia, duas igrejas sofreram atentados com bombas.No Paquistão, o governo chamou o embaixador do Vaticano no país para pedir explicações e o parlamento aprovou uma resolução recriminando o papa. No Catar, Egito e Irã, importantes líderes religiosos condenaram as declarações.Poucos dias depois, o Vaticano soltou uma nota em que dizia "lamentar profundamente" que trechos da palestra de Bento 16 "pudessem ter soado ofensivos à sensibilidade dos fiéis muçulmanos".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.