Vaticano suspende monsenhor que admitiu ser gay

Alta autoridade da Santa Sé fez revelação em programa de TV sobre padres gays

David Willey, BBC

13 de outubro de 2007 | 10h15

O Vaticano confirmou ter suspendido um de seus quadros da alta hierarquia que confessou ser homossexual. O homem, não identificado, fez a admissão na TV italiana no início deste mês, em um programa sobre padres homossexuais. O porta-voz da Santa Sé disse apenas que o monsenhor - título dado a autoridades do Vaticano - trabalha no departamento encarregado de professar o clero no mundo. O caso está sendo conduzido em sigilo, e a suspensão vigorará enquanto investigações estiverem sendo conduzidas, afirmou o chefe da sala de imprensa do Vaticano, padre Federico Lombardi. Ele disse que o monsenhor agiu de maneira incompatível com seus status na sede da Igreja Católica Romana. Colegas e amigos do padre conseguiram identificá-lo no programa de TV apesar do disfarce da voz. O monsenhor com freqüência celebrava missas e desempenhava o papel de âncora em um conhecido canal católico. Ele declarou ao programa que não se considerava pecador por conta de sua homossexualidade, mas havia sido forçado a mantê-la em segredo para não contrariar a pregação da Igreja em relação ao tema. O Vaticano raramente faz comentários sobre escândalos envolvendo padres, e a admissão rápida da suspensão do padre é incomum.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.