Vazamento de óleo na Nova Zelândia deve aumentar, diz governo

Uma das praias mais populares da Nova Zelândia estava sendo afetada nesta terça-feira por manchas de óleo decorrentes de um vazamento de petróleo que está aumentando, no pior desastre ambiental no país em décadas.

GYLES BECKFORD, REUTERS

11 Outubro 2011 | 12h52

Depois de ficar à deriva na semana passada, o navio Rena, de 47.230 toneladas e bandeira liberiana, encalhou em um recife a 12 milhas náuticas da cidade de Tauranga, na costa leste da Ilha Norte da Nova Zelândia.

Fortes ondas dificultam as tentativas de estabilizar a embarcação e tornam perigosa a permanência a bordo.

As autoridades disseram que cerca de 300 toneladas do total de 1.799 toneladas de óleo pesado transportado pelo navio já tinham vazado. Foram colocados avisos nas praias alertando os banhistas a ficarem longe da água e não comerem frutos do mar.

"A situação nos próximos dias, da perspectiva ambiental, vai ficar significativamente pior", disse o ministro Nick Smith à imprensa.

"O governo está determinado a fazer tudo o que for possível para minimizar os danos ambientais do que, já está claro agora, é o pior desastre ambiental da Nova Zelândia em décadas", acrescentou.

As extensas e douradas praias atraem surfistas e as águas próximas têm reputação internacional por ser local de competições de pesca.

"As próximas 24 horas serão cruciais se for para reverter uma catástrofe ambiental", disse Rebecca Bird, do World Wildlife Fund.

Segundo a agência Maritime New Zealand, as condições climáticas na área alteraram a posição do navio de segunda para terça-feira e os fortes ventos e ondas tornam muito perigosa a permanência a bordo.

"Todos os tripulantes foram retirados da embarcação como medida de precaução por causa das condições na área", disse a agência. A estrutura do barco permanece integra e em bom estado, de acordo com a empresa, que acrescentou que o petróleo começará a ser transferido para outra embarcação tão logo melhorem as condições climáticas.

A embarcação ia para Tauranga, 200 quilômetros a sudeste da maior cidade e porto da Nova Zelândia, Auckland, também importante entroncamento para transporte de cargas.

(Reportagem de Gyles Beckford)

Mais conteúdo sobre:
NOVAZELANDIA PETROLEO DERRAMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.