VCP vê cenário melhor e nova alta no preço da celulose

A manutenção do cenário positivo para os negócios de celulose de eucalipto, diante da crescente demanda chinesa e dos estoques baixos, deve possibilitar um novo reajuste nos preços da matéria-prima em agosto, afirmou nesta segunda-feira o presidente da Votorantim Celulose e Papel (VCP), José Luciano Penido.

STELLA FONTES, REUTERS

20 Julho 2009 | 13h18

Na noite de sexta-feira, a VCP divulgou o balanço do segundo trimestre, que mostrou forte evolução no lucro líquido, tanto na comparação com igual intervalo de 2008 quanto com o verificado nos três primeiros meses do ano. O resultado final foi puxado pela linha financeira.

"A (chilena) Arauco já anunciou um aumento para a celulose e devemos acompanhá-la", disse Penido, em teleconferência com analistas para comentar o desempenho da VCP no segundo trimestre.

Conforme Penido, que não informou qual deve ser o reajuste, o aumento será válido para todos os mercados (América do Norte, Europa e Ásia).

Em julho, os preços de referência da matéria-prima foram elevados em 30 dólares por tonelada, para 530 dólares na Europa, 590 dólares na América do Norte e 520 dólares na Ásia. Na China, o preço líquido da celulose está em 480 dólares por tonelada.

A VCP informou ainda que poderá superar em 50 mil toneladas a meta de 1,9 milhão de toneladas comercializadas em 2009. Para o negócio de papel, a projeção de vendas foi mantida em 380 mil toneladas.

No segundo trimestre, a companhia --que está em processo de incorporação da Aracruz-- registrou vendas recordes de 516 mil toneladas, superando em 10 por cento suas próprias estimativas, com crescimento de 48 por cento ante o registrado nos três primeiros meses do ano. Um ano antes, a empresa havia vendido 329 mil toneladas de celulose.

Segundo a VCP, os embarques de celulose para a China em junho também foram recordes. O salto nas vendas foi proporcionado pelo volume adicional proveniente da fábrica de Três Lagoas (MS), que está em fase de curva de aprendizagem, e pela demanda chinesa.

De acordo com a companhia, o volume de vendas acima do esperado levou seus estoques ao nível de 26 dias, o mais baixo desde setembro de 2007.

A VCP registrou lucro líquido de 533 milhões de reais no segundo trimestre, ante lucro de 135 milhões de reais um ano antes e perda líquida de 6 milhões de reais de janeiro a março de 2009.

A melhora no resultado final deveu-se, principalmente, aos ganhos financeiros decorrentes do impacto da valorização do real na parcela da dívida da companhia em dólares.

No trimestre, o resultado financeiro líquido da empresa ficou positivo em 465 milhões de reais, ante saldo negativo de 42 milhões nos três primeiros meses do ano e positivo de 110 milhões de reais um ano atrás.

MARGEM EBITDA MENOR

A geração de caixa medida pelo Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) alcançou 158 milhões de reais entre abril e junho, frente a 212 milhões de reais em igual intervalo de 2008. A margem Ebitda passou de 34 por cento para 23 por cento, na mesma base de comparação.

A receita líquida, por sua vez, passou de 627 milhões de reais um ano antes para 689 milhões de reais.

Penido disse que em julho o envio de celulose para a China tem mostrado o mesmo ritmo verificado em junho. "Não vemos sinais de deterioração."

A dívida líquida da VCP encerrou junho em 5,82 bilhões de reais, ante 6,99 bilhões no fim de março. No trimestre, a companhia desembolsou 748 milhões de reais em amortização de parcelas de principal da dívida e 73 milhões de reais para pagamento de juros.

Ao mesmo tempo, a VCP fechou novas captações e refinanciamentos no total de 826 milhões de reais, dos quais 434 milhões em nova dívida indexada à TJLP, com prazo de oito anos. Além disso, em junho foi aprovada uma nova linha no valor de 125 milhões de euros, também com prazo de oito anos, junto a uma agência de crédito à exportação.

As ações da VCP subiam 0,87 por cento, a 23,30 reais, às 12h53. O Ibovespa avançava 1,56 por cento no mesmo horário.

(Edição de Cesar Bianconi)

Mais conteúdo sobre:
PAPELVCPRESULTADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.