Velociraptores tinham penas, diz novo estudo

No velociraptor, as penas podem ter sido úteis para ajudar em manobras durante a corrida

21 de setembro de 2007 | 14h15

Uma nova análise de fósseis indica que o velociraptor, o dinossauro carnívoro celebrizado pelo filme Jurassic Park, tinha penas. Artigo descrevendo a descoberta aparece na edição desta semana da revista científica Science.   Há anos que cientistas sabem que muitos dinossauros tinham penas, mas esta é a primeira confirmação no velociraptor, um parente próximo das aves modernas.   O fóssil que os cientistas do Museu Nacional Americano História Natural e do Museu Field em Chicago estudaram é um antebraço de velociraptor desenterrado na Mongólia em 1998. Os pesquisadores encontraram sinais claros de pontos onde as penas se conectavam ao osso por meio de ligamentos.   Esse tipo de ponto é encontrado em várias espécies atuais de pássaro, e é mais evidente em espécies que voam batendo as asas vigorosamente. Os pássaros que planam ou que perderam de vez a capacidade de voar geralmente não apresentam os sinais.   "A ausência dessas marcas não significa, necessariamente, que um dinossauro não tivesse penas", explica Alan Turner, principal autor do estudo. "Encontrar as marcas no velociraptor, no entanto, significa que ele definitivamente tinha penas. Isto é algo de que suspeitávamos, mas não tínhamos como provar".   O velociraptor analisado tinha cerca de um metro de altura, um metro e meio de comprimento e pesava por volta de 14 kg.   Combinado essas características com as patas dianteiras relativamente curtas, em comparação com as asas dos pássaros modernos, os cientistas acreditam que o dinossauro não era capaz de voar. Talvez, sugerem os autores do artigo, um ancestral do predador tivesse a capacidade de vôo, perdendo-a sem perder as penas.   No velociraptor, as penas podem ter sido úteis como adorno, para proteger o ninho, para controlar a temperatura do corpo e para ajudar na realização de manobras durante a corrida.

Tudo o que sabemos sobre:
velociraptordinossauropaleontologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.