Vendas de grupos de bebidas desaceleram por fraqueza em emergentes

As companhias globais de bebidas Diageo e SABMiller divulgaram quedas nas vendas do primeiro trimestre nos principais mercados emergentes nesta quinta-feira, culpando as condições econômicas mais fracas que forçam consumidores a gastar menos.

Reuters

18 de abril de 2013 | 11h41

Os enfraquecimento dos negócios acrescentam evidências de que mercados como Brasil e Coreia do Sul estão desacelerando, e que isso está se refletindo nos gastos dos consumidores em bens de consumo eventual.

Mas a cervejaria SABMiller teve alguns pontos positivos, incluindo em partes da África e também no Leste Europeu, onde novos lançamentos de produtos premium ajudaram a impulsionar as vendas.

A Diageo, fabricante do uísque Johnnie Walker e da cerveja Guinness, disse que o volume caiu 1 por cento nos três meses até o final de março, e o crescimento das vendas foi de 4 por cento, abaixo das previsões, apesar da força em seu maior mercado, o de destilados nos Estados Unidos.

O crescimento desacelerou em todas as regiões em mercados emergentes da Diageo, notando-se um sentimento fraco do consumidor particularmente no Brasil, onde as vendas no varejo caíram, à medida que consumidores sentem o aperto de uma economia de crescimento lento e inflação em alta.

"Dadas as nossas posições de mercado e diversidade geográfica continuamos confiantes de que o desempenho da Diageo continua a estar em linha com a nossa orientação a médio prazo", disse o presidente-executivo da Diageo, Paul Walsh, em um comunicado.

A cervejaria SABMiller também sinalizou uma demanda fraca na América Latina. A empresa informou um aumento total de 3 por cento no volume de cerveja lagger no trimestre, em linha com as estimativas, mas divulgou uma surpreendente queda de 1 por cento na América Latina, sua maior região.

A SABMiller não tem uma presença significativa no Brasil, mas tem mais de 90 por cento do mercado na Colômbia, Equador e Peru, onde vende marcas como Aguila e Cusqueña.

O grupo de destilados francês Remy Cointreau divulgou crescimento trimestral de vendas melhor do que o esperado, de 12,4 por cento, conforme a demanda por conhaque durante as comemorações do Ano Novo chinês foi alta e as vendas aumentaram na Rússia e Grã-Bretanha.

Tudo o que sabemos sobre:
CONSUMOBEBIDASDESACELERA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.