Venezuela devolverá fábrica ocupada à Cargill, diz ministro

A Venezuela devolverá uma fábrica de massas à gigante de alimentos norte-americana Cargill, após o Estado ocupá-la por três meses em meio a um embate sobre preços, informou uma alta autoridade nesta quinta-feira.

REUTERS

20 Agosto 2009 | 19h34

O governo do presidente socialista Hugo Chávez assumiu o controle da unidade em maio, como parte de uma campanha para pressionar empresas privadas a produzir mais alimentos sob preços menores impostos pelo governo.

Aparentemente satisfeito pela fábrica estar operando seguindo as regras governamentais, o ministro do Comércio, Eduardo Samán, disse que a unidade seria devolvida para seus proprietários.

"Esta fábrica será devolvida, a ocupação temporária será finalizada", afirmou Saman.

Desde que assumiu a presidência há uma década, Chávez nacionalizou grandes empresas do país, incluindo uma processadora de arroz da Cargill no início deste ano e dezenas de empresas prestadoras de serviços na área de petróleo.

A Cargill é uma das maiores empresas privadas do mundo e cerca de 2.000 funcionários na Venezuela.

Lutando contra o mais alto nível inflacionário da América Latina, Chávez se posicionou contra várias fabricantes alimentícias acusadas de não cumprir as regulações de preços do governo e intensificou a tomada de fazendas consideradas ociosas.

Chávez nacionalizou a unidade de arroz da Cargill em março porque produzia um tipo de arroz não incluído nos controles de preços. Ele também ameaçou nacionalizar o maior empregador privado do país, a cervejaria e processadora de alimentos Polar.

Mais conteúdo sobre:
VENEZUELACARGILLFABRICA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.