Vento forte interrompeu balsas em Ilhabela, diz Dersa

O diretor de operações da Dersa, João Henrique Poiani, explicou nesta sexta-feira, 26, que o serviço de balsas que liga Ilhabela a São Sebastião, no litoral norte de São Paulo, teve sua operação interrompida em razão dos fortes ventos que atingiram a região nos dois últimos dias. O serviço foi retomado perto das 7h30 de hoje, após 20 horas de paralisação. Às 18h, o serviço operava com quatro embarcações, com uma média de 30 minutos de espera, média normal para a travessia.

REGINALDO PUPO, ESPECIAL PARA AE, Agência Estado

26 de julho de 2013 | 18h37

Durante a madrugada de quinta-feira, 25, por causa da ressaca, o piso do flutuante usado para a atracação em São Sebastião foi coberto pelas águas, que foram retiradas por bombas, informou a Dersa. Segundo Poiani, o flutuante é novo, foi instalado em Ilhabela em 2010. "O sistema de atracação por ''gavetas'' não impediria a paralisação das balsas, pois o problema não está na atracação em si, e sim, na velocidade dos ventos", frisou.

A Capitania dos Portos determina a suspensão da travessia por balsas e de embarcações de pesca e recreio quando os ventos atingem 21 nós (39km/h). Durante o dia de hoje ainda havia risco de novas paralisações, já que os ventos não cessaram.

O diretor explicou que o novo sistema de atracação em Ilhabela, semelhante ao utilizado na travessia Santos/Guarujá, ainda está na fase de estudos. "Elaboramos um projeto executivo para realizar um detalhamento do local para a instalação de dois atracadouros. Agora estamos na fase do projeto quantitativo para sabermos quanto vai custar a implantação". Ainda de acordo com o diretor da Dersa, haverá necessidade de alterar o sistema viário do local onde ocorre o embarque e desembarque.

Mais conteúdo sobre:
ilhabelabalsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.